PASSO A PASSO

2018-06-14


É DIFICIL VIVER COM UM IRMÃO MONGOLÓIDE (4)
Fica a saber-se
o grande amor
do padre Jaime




Antunes Ferreira

Tudo o que te vou dizer e a conversa que disso resultar vai ficar entre nós, tens de o compreender meu querido Armando, e por isso vou já explicar o porquê desta minha afirmação pedindo-te que este seja um segredo que fique entre nós, ainda que a tua mãe, o padre Jaime, o prior Tomás e pouco mais pessoas estejam ao par do assunto. E perante o cenho carregado que eu exibia – mau, as coisas estavam cada vez mais embrulhadas e eu metido nelas sem ter culpa nenhuma – a tia continuou.

A vida é bela mas também é mesmo madrasta e é preciso saber viver com ela se não formos capazes de o fazer é uma desgraça e é por isso que sendo tão novo tens desde já ser forte, muito forte. Quem namora com o padre Jaime sou eu e vamos casar. Fiquei atónito de boca aberta qual túnel do Rossio, que mais me iria acontecer? Era impossível. Mas, tia, os padres não podem casar-se – aventei como que a medo mas ciente do que dizia pois aprendera-o na catequese, aliás com a minha catequista a Geninha e sob o controle justamente do… padre Jaime.

Armando são três as principais religiões que têm Cristo como Salvador, a Católica, a Ortodoxa e a Protestante. Só a Católica é que prescreve o celibato dos sacerdotes; nas outras os ministros de Deus podem casar e casam. No entanto em Roma, na sede da Igreja Católica os padres podem requerer deixar o sacerdócio e ao fim de um processo longo e difícil o Vaticano pode autorizá-los a deixar os votos e assim contrair o sacramento do matrimónio. O processo do padre Jaime já está em vias de conclusão.
 
Cerejeira & Salazar - duo sinistro
Os olhos da tia Elsa brilhavam-lhe espelhando a esperança viva e a alegria que lhe iam na alma e eu sentia-me contente e satisfeito com a boa nova. O Cardeal Cerejeira, grande amigo do Salazar desde jovem em Coimbra, tentou pôr os maiores entraves no caso, mas o padre Jaime tem uns amigos no Vaticano que conheceu quando fez o mestrado em Teologia na Universidade que ali existe e que foram removendo os obstáculos colocados pelo Patriarca.

Eu sabia que do lado da família da minha mãe o pessoal sempre fora da oposição desde que o dr. António de Oliveira Salazar assumira o ministério das Finanças e depois a presidência do Conselho de Ministros instituindo a Censura e transformando a PVDE, a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado em PIDE, a Polícia de Intervenção e Defesa do Estado. O falecido avô Jacinto estivera preso no Aljube sob a alegação de ser comunista, o que por acaso não era, mas se o fosse também não lhe cairiam os parentes na lama.

Mas lá em casa não se podia falar em política porque o meu pai era fanático pelo Estado Novo e adjunto-militar a Terceira Região da Legião Portuguesa, o Chefe das Milícias e, dizia-se Inspector da PIDE e por reinava o regime do bico calado pois dizia a mamão que até as paredes tinham ouvidos e nunca se sabia se havia bufos. Entretanto a tia concluía: E quem tem defendido o processo é o padre Marcelo Montini, jesuíta especialista em Direito Canónico e  assistente do Prof. Angelo Macazoni, a maior autoridade no ramo. E vou confessar-te mais um segredo: o casamento vai ser muito em breve pois eu estou grávida.

Não pude conter-me, pulei do sofá e abracei-me a ela. Que felicidade! Oxalá fosse eu o padrinho, embora fosse tão novo; mas só o pensei, nada disse… A tia prometeu-me então que mais tarde me contaria toda a sua estória com os maiores pormenores e ficámos por ali, não sem me dizer que apenas sabiam que estava grávida de dois meses naturalmente ela e o pai, o pároco e a minha mãe e a partir de então eu. Depois dessa cena e como dia estava descoberto, era véspera das marchas que pela primeira vez a RTP

RTP transmitia pela primeira vez em directo as marchas 

ia transmitir em directo e das sardinhas em Alfama, decidi dar um passeio como o Frederico no carrinho dele. Avisei-a e fui até ao Jardim da Estrela – nós morávamos na rua de Buenos Aires – e ali fiquei apanhando o sol e lendo o “Mosquito” que acabara de comprar.

Um senhor de idade que vinha trazendo pela trela um cão Cocker Spaniel preto parou junto a nós e ficou mirando o Frederico com ar preocupado e comentou pobre criança, tadinha… Palavra que não gostei, o meu irmãozinho era um ser humano talvez diferente mas não merecia um tal comentário. Por isso perguntei ao velhote Coitadinho porquê? O homem ficou à rasca, não foi capaz de me responder, meteu a viola no saco e deu à sola puxando o cão que nem ladrara muito menos se pronunciara.

Na verdade o que acontecera ia repetir-se vezes sem fim. As pessoas não percebem que nos comentários desajustados que fazem perante um portador da síndrome de Down, para além da ignorância e da estupidez há também muita maldade que ferem quem acompanha o deficiente e quando este começa a compreender o que dizem a seu respeito apunhalam-no no sítio onde mais lhe dói seja no coração seja na alma.

O que mais me danava quando mais tarde regressava a casa empurrando o carrinho do meu irmão era o sorriso feliz que lhe bailava nos lábios sem se dar conta, felizmente, do que o rodeava e do que o envolveria daí para o futuro que eu antevia e receava. Não merecia o Frederico na sua inocência estar um Mundo doido e mau ainda que também fosse bom até mesmo óptimo e decente. Mas as mais das vezes o negativo predominava e ele tinha tido a infelicidade de ter nascido com a trissomia 21.

No ensino técnico


Mal tínhamos chegado a casa fui buscar à biblioteca a Enciclopédia Médica Abreviada Salus que tia Elsa para ler mais informações sobre a malfadada doença. E li que “não existe cura para a síndrome de Down. A educação e cuidados adequados aumentam a qualidade de vida da pessoa. Algumas crianças com síndrome de Down frequentam escolas comuns, enquanto outras requerem ensino especializado, como o técnico. Algumas concluem o ensino secundário e outras frequentam o ensino superior.”

Durante a idade adulta, muitas pessoas com a condição executam trabalhos remunerados, embora seja frequente que necessitem de um ambiente de trabalho protegido. Em muitos casos, as pessoas com síndrome de Down necessitam de apoio financeiro e em questões legais. Em países desenvolvidos e com cuidados apropriados, a esperança média de vida com a condição é de 50 a 60 anos.”

Iria a partir de então colecionar todos os elementos sobre a doença e para isso pedi à tia Elsa bem como ao tio Miguel, que creio que já disse era irmão do meu pai e médico pediatra para mos fornecer ao que ambos assentiriam tinha a certeza.
(Continua?)
********* 

Estou a cogitar sobre se devo continuar a publicar esta saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGÓLICO. Isto porque o primeiro episódio teve uma boa aceitação (52 comentários e correspondentes respostas), o segundo ficou-se pelos 20 e o terceiro ainda menos, 18…
O apelo para uma boa polémica só teve uma resposta. A da Nonamamiga.
Perante os factos indesmentíveis verei o que farei por considerar melhor.

Qjs & abçs

Henrique, o Leãozão

  

35 comentários:

  1. Já te contei que frequentei um Colégio de Jesuítas durante cinco anos?
    Nesses cinco anos assisti a muitas situações de padres que abandonavam o sacerdócio porque se apaixonavam, casavam, constituíam família.
    Já aqui em Macau fui colega de serviço de dois na mesma situação.
    Gosto de gente assim, que assume o que é.
    Não gosto nada dos hipócritas e das beatas que andaram anos embrulhados (quem é não sabia???) sem nunca assumirem nada e ainda a darem lições de moral a terceiros.
    A moral que eles próprios nunca tiveram.
    Aquele abraço para ti, beijos para a Raquel e continua a contar-nos, como só tu sabes, as tuas memórias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Coimbramigo

      Não sabia mas pelas tuas posições a cair para o nim pintadas de laranja (sabias que eu não sou de meias tintas...) já tinha percebido que por aí havia mãozinha do padre Inácio...

      Não tenho nada que ver com a questão do casamento dos padres católicos, questão que não me diz respeito felizmente mas lembro-me sempre que um feitor da minha tia-avó Dona Etelvina, Senhora de posses do Vale de Santana, homem experimentado de muitos saberes ouvi-o dizer uma frase que para mim ficou-me no ouvido, na memória e na ponta da pena de pato com que fui vacinado:
      Um padre é um homem que usa um fato que tem a braguilha até ao pescoço. Melhor? Só o Cristiano Ronaldo.

      De qualquer jeito e no que concerne a este teu comentário estou 98,9% de acordo contigo; os outros 1,1% reportam-se ao início da minha resposta :-)))))))

      Triqjs e um abração deste teu amigo que continua a admirar-te o calendário macaense e pergunta: Com tantos feriados qual é o dia em que a malta por aí trabalha?
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  2. Tão bom te ler e saber mais da tua vida...Contas como sempre muito bem! abração,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Rejane/Chiquitamiga

      Agradeço-te as gentis palavras que como sempre me envias mas repito e sublinho a estória é pura ficção, felizmente não tem nada a ver com a minha vida, apenas aproveito o que se passou e passa à minha volta e tento imaginar o que se virá a passar. Por isso há quem me chame o "Pitoniso do Lumiar":-)))))

      Muitos qjs deste teu amigo alfacinha que tal como tu também adora crianças
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Comentei os anteriores, mas não sabia que já tinha saído este. Uma vez mais não recebi comunicação no email e como sabe o link não faz atualizações. Tal como eu imaginei e comentei anteriormente era a tia e não a mãe que namorava o padre.
    Aqui onde moro, nos anos 70 o padre Fernando abandonou o sacerdócio para se casar.
    Comentar casos de síndrome de Down, disse-lhe logo no primeiro episódio que não poderia fazer pois não conheço nenhum caso, e não falo se uma coisa que não conheço.
    Gosto da sua escrita e gostaria de continuar a ler esta história.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Elvirinhamiga

      Ainda não desisti de encontrar quem possa solucionar o chatérrimo problema do link. Está cá agora o casal Palhau, meu cunhado, a Isabel/Belinha é irmã da Raquel e o Raul comenta por vezes aqui. Vivem no Quebec e quando voltarem no fim deste mês vão levar a questão para um sobrinho nosso que é um grande especialista em software para ver se o consegue resolver. Já comecei uma novena ao Santo Padre Cruz e pus uma vela no formato de computas junto à estátua do Doutor Sousa Martins, pelo sim, pelo não... :-)))

      Muito obrigado pelo teu comentário que vindo de ti, amiga e autor que muito admiro incentiva-me sempre a tentar fazer melhor.

      Muitos qjs do
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. Duas narrativas tão atuais numa escrita de que sabe , Henrique
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Manuelamiga

      Viva! Há quanto tampo não vinhas até aqui!?!?!? Hoje vieste e estou muito feliz e por isso agradeço-te bem como ás lindas palavras que me diriges. Volta depressa.

      Muitos qjs deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  5. Henrique também conheci um padre em Angola que se casou e foi bem feliz nessa sua opção!
    Viver com uma pessoa que tem Síndrome de Down pode não ser fácil mas como há quem o faz é possível por isso ... eu passarei sempre que puder para ler as suas histórias de vida!
    Há blogs que eu não consigo abrir no meu tele de modo que só quando venho ao PC é que o faço!
    Que seja um belo de um fim-de-semana!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga III

      Creio que é a mesma pessoa que também conheci em Angola. O Mundo é realmente muito pequeno.

      De tudo o que tenho visto, lido, estudado e sobretudo sentido no contacto com pessoas vítimas de Síndrome de Down tenho a certeza de que há muita gente que sabe lidar com elas e a palavra chave para que isso aconteça com toda a naturalidade é AMOR.

      Muito obrigado e também para ti a continuação de um bfds
      Muitos qjs deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Gosto imenso das tuas narrativas pois sempre misturas outras coisas já passadas e vividas com o que estás a contar. Estou a gostar imenso. Acho que deves continuar a escrever esta "saga", que nos revela tanta coisa importante…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga II

      Sei que a Raquel não vai ter ciúmes por isso vou-te chamar mais uma vez ó minha Musa Inspiradora. Depois do que me dizes não sei que faça, se volto com a palavra atrás, se sigo em frente ou ainda se fujo para a Patagónia ou para o deserto do Namibe meditar em frente de uma Welwitschia mirabilis....

      Bom, Já remeditei e nem preciso de trimeditar: vou continuar. Alea jacta est.

      Muitos qjs deste teu amigo e admiradoríssimo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  7. Sobre este problema do síndrome de Down li um livro fantástico "O Meu Irmão" de Afonso Reis Cabral.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Franciscamigo

      Vou comprar; muito obrigado.

      Um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    2. A-T-E-N-Ç-Ã-O

      MEU CARO FRANCISCAMIGO

      PEÇO-TE O FAVOR DE ME ENVIARES POR E-MAIL PARA O MEU O TEU PORQUE O QUE TENHO DEVE ESTAR ERRADO POIS TODOS OS QUE TE ENVIO VÊM DEVOLVIDOS. OBRIGADO
      UM ABRAÇÂO
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Boa noite Henriqueamigo,
    fiquei contente por ler que a Raquel regressou a casa, e que está muito melhor :) a saúde é uma grande aliada para que a nossa vida seja bem vivida e que possamos desfrutar dela ! Assim desejo continuação de muitas felicidades a vocês os dois !
    abraço e votos de bom fim de semana
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Angelamiga

      Também fiquei muito contente com o regresso da minha cara metade; mas por outro lado - toda a moeda tem o seu reverso... - perdi a "independência de que frui durante os dias em que ela esteve hospitalizada... :-))))

      Claro que estou a brincar mas mesmo assim ainda bem que a minha patroa não visita aqui a Travessa senão era o Deus-me-livre...

      Muitos qjs do teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  9. Oh, HenriquAmigo, desculpa lá a minha ausência deste teu espaço onde tanto se aprende, mas acontece que sem a actualização do teu blogue, nos nossos espaços, torna-se difícil saber quando tens nova publicação.
    Não fazia ideia que esta interessante história já ia no quarto capítulo.

    Quanto à tua observação final, creio que nem deverias colocar isso em dúvida. Claro que podes e deves continuar a escrever, seja sobre este tema ou qualquer outro que te aprouver. Se escrever é um prazer, porque motivo a falta de alguns comentários te iria impedir de o fazer?

    Um abraço enorme e beijinhos para a Raquel.
    (desejo que ela se encontre recuperada)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Janitamiga

      Antes do mais agradeço-te o desejo que fazes das melhoras da Raquel. Como podes ver da resposta à Ângela as coisas vão entrando na normalidade, devagarinho porque agora tem de ser assim. Mas faço-te uma confidência nos mesmos termos de salvação de qualquer eventual actuação menos cordata por parte da senhora em causa e em casa: Vaso ruim não quebra...

      Pois como disse à nossa querida amiga Graça Pires vou continuar voltando mais uma vez com a palavra atrás. A estória ainda como o povo diz nem saiu do adro ou seja tem pano para mangas de um batalhão talvez mesmo de um regimento.

      A merda da actualização do blogue nunca mais se resolve. Mas lê sff a informação que dou acima.

      Finalmente e como muito bem sabes para mim escrever é um prazer quase orgiástico. Não vivo para escrever mas escrevo porque vivo. Igualmente isso acontece com a leitura mas esta é mais introvertida. Escrever também é para mim mas é principalmente para os outros.

      Estes, os que me lêem têm o direito de gostar ou de não gostar daquilo que lhes ofereço. Por isso aprecio os comentários que são o eco do que pensam os leitores. É só.

      Muitos bjs e qjs do casal Ferreira muito teu amigo

      Eliminar
  10. Pareceu-me sentir-te duvidoso e inseguro sobre a continuação do Post. É minha humilde convicção que deves escrever o que sentes e não o que esperas que os demais possam sentir.
    Escrever para "vender", Amigo, creio (mesmo) que já passaste por essa fase da vida.
    Se escreves para receber Comentários favoráveis e divertidos, terás de mudar tudo na vida.
    Não esperes tal, meu Caro e estimado Antunes Ferreira.

    As maiores saudações e o meu abraço
    SOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Solamigo

      Já um dia to disse que gosto da frontalidade e da franqueza com que me comentas. Compreendo-te perfeitamente e por isso peço-te que leias a resposta que acima dou à nossa amiga Janita. De qualquer maneira muito obrigado e um abração deste teu amigo e admirador

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  11. Respostas
    1. My ear dono jono friend

      Welcome.

      Big huh
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Cheguei
    ... e espero que seja para continuar, vou ler a 2ª parte, depois a 3ª e depois volto para comentar
    até já

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gabrielamiga

      Ok chefa (???????)

      Muitos qjs do casal Ferreira que é muito teu amigo

      Eliminar
  13. Espero que vá continuar
    um beijinho e uma boa semana
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gabrielamiga

      Vou sim senhora e muito obrigado

      + bjs e qjs

      Eliminar
  14. Essa é a reacção de muita gente perante os deficientes, FerreirAmigo - achá-los coitadinhos.
    Nunca lhes passou pela cabeça que possam ser extraordinários e felizes?
    Nem depois de verem Hawking??
    aquele abraço para ti, beijos para a Raquel, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Coimbramigo

      O Mundo em que vivemos podia ser excelente - mas infelizmente não é. Há quem o não queira fazer, bem pelo contrário, dar cabo dele. E já estivemos mais longe disso. A insensibilidade com que muito boa gente aborda o problema dos deficientes é um exemplo - mau - a ser erradicado. Mas, quando?

      o exemplo do malogrado Stephen Hawking devia ser olhado com respeito e sobretudo admiração. Mas quantos génios há como ele?

      Desculpa trazer à baila um caso de loucura criminosa que vai decorrendo no nosso país o do BdC um ditador de pacotilha que está a empurrar uma Instituição mais do centenária para o abismo. E não digo mais nada, pois são crápulas como este que dão cabo do nosso Mundo e naturalmente dos deficientes que o habitam.

      Gostava que me respondesses AQUI sobre a tragédia do SCP. Fico à espera.

      Triqjs e um abração deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  15. Caro Henrique
    Agora a "estória", vai ficando a cada capitulo, mais interessante, devido a ser-lhe acrescentada mais factores de intriga. Sendo sendo de ficção, continua a ser bem didáctica, sobretudo para as mais novas ainda novas classes etárias, os adolescentes. No fundo está aqui a sair matéria interessante, para livro.
    Voto pela continuidade da história, que abarca matérias interessantes e que estão sempre a aparecer a nossos olhos.
    Abraço de amizade e consideração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Danielamigo

      O teu comentário dá-me um enorme alento para prosseguir pois parece que estás a gostar da estória. O enredo não se esgota num só tempo, vai acompanhar o crescimento do Frederico e bem assim e obviamente o do seu "tutor" Armando.

      Quando escrevo estórias com mais fôlego nunca sei onde vou meter mais sub-estórias, mais ramos da mesma árvore que comecei a plantar. Os árabes têm um ditado que nós adoptámos: Um homem para viver a sua vida tem fazer um filho, de plantar uma árvore e escrever um livro. Eu já cumpri a minha parte..., mas vou continuar - até ao forno crematório... :-)))

      Um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Fica feito também o convite para comentar a minha resposta aqui na Travessa...

      Eliminar
  16. Bom dia, Henrique
    Não tinha lido nada desta história e por esse motivo estive a ler os episódios todos.
    Como, atempadamente, te comuniquei, o link do teu blog, que tenho ma minha sidebar, não actualiza, e assim fico sem saber quando postaste...
    Infelizmente a vida moderna deixa-nos pouco tempo livre, não nos permitindo (pelo menos a mim) andar constantemente a verificar em TODOS os blogs que visitamos se há nova postagem. Precisavas resolver esse problema...
    Pois bem, de tudo o que li, acho que a história está muito bem construída e estruturada, e "tem pernas para andar". Portanto, a minha opinião é de que lhe deves dar continuidade.
    O facto de o baixo número de comentários te fazer hesitar... não me parece muito válido. Por experiência própria (que poderias comprovar...) há postagens minhas que têm 70 comentários (sem respostas - eu não respondo no meu blog), como foi o caso da minha postagem de Maio, por exemplo, e há outras que têm apenas 33, como a de 1 de Junho. Portanto, isso é muito variável e, em meu entender, não deve levar-nos a atitudes radicais. De resto, e para finalizar este já longo "testamento", ultimamente os comentários têm diminuído muito, muitos blogs estão inactivos, porque muitos bloguistas (em português; em brasileiro são blogueiros...) debandaram a caminho do Facebook, diminuindo drasticamente o tráfego na blogosfera.
    Portanto... vai em frente e deixa-te de fitas!
    Só por curiosidade - o meu primeiro livro versa precisamente um caso de amor entre um padre e uma paroquiana (não é o tema principal, mas bastante relevante para a construção da história) - mas com um final muito diferente do da tia Elsa...
    Quando publicares de novo se puderes avisa... ok?

    Feliz Terça-feira e uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Mariazitamiga

      Eis aqui um belíssimo comentário ao qual no entanto j´respondi no que concerne aos outros comentários. Cada um é como cada qual e os dedos de uma mão sendo cinco são todos desiguais.

      A caminho dos 77 anos reconheço que sou um tanto sensível, possivelmente até demasiado. Mas a forma que os meus pais utilizaram para me fabricar na altura era de barro e partiu-se... Não é agora que vou mudar.

      Face às respostas diversas (para não dizer muitas) das muitas Amigas e muitos Amigos que me incitaram a voltar com a palavra atrás - alguns chegaram ao ponto de me chamar "chantagista" - já disse que vou continuar.

      E como não há maneira de resolver o problema do sacana do link tenho avisado a malta por imeile. Por isso já te pedi o teu e reforço aqui o pedido.

      Muitos qjs do teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão
      Quando era jovem (palavra que já fui...) cantei o fado, e parece que mais ou menos bem. O Carlos Ramos até quis levar-me para a sua "Toca", o meu santo Pai não se opôs mas a minha mãe disse que eu estudava em Direito, não ia em cantigas. Interpretava dois fados com sentimento: o "Não venhas tarde" do Carlos Ramos com quem cantei ao desafio e "A casa da Mariquinhas" tendo-me dito o "velho" Alfredo que eu dava para aquilo...

      Eliminar
  17. HenriquAmigo.
    Minha sobrinha primogênita foi casado com um padre, que faleceu no ano de 2016.
    O matrimônio ocorreu em 1999.
    Ele era muito culto e foi coordenador do programa de Mestrado e Doutorado do curso de Ciência da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, também trabalhava na Editora Loyola como tradutor
    Minha sobrinha é psicóloga.
    O nobilíssimo escritor lusitano Eça de Queirós (1845-1900) trouxe à baila a hipocrisia do clero no livro O crime do Padre Anaro.
    Como tu dizes, também fui católico, mas curei-me...
    Saudações incrédulas.

    ResponderEliminar
  18. Meu Casto Confradamigo

    Há padres e padres, e tem de se reconhecer que a maioria deles encarna o sacerdócio com elevação, energia, fé, solidariedade, disponibilidade e desejo de servir. A cultura para muitos é imprescindível; já para outros... Se acreditar em Deus só Ele sabe e claro... o dito cujo cura.

    Já Zola tinha escrito "O Crime do Padre Mauret" que alguns disseram que Eça terá plagiado. Nada mais falso, o enredo é absolutamente outro, versando embora o mesmo tema o amor carnal de um sacerdote. Com o que não concordo absolutamente pois debaixo de uma batina há sempre um Homem completo

    Bjs e abração do casal Ferreira

    ResponderEliminar