PASSO A PASSO

2018-06-21




Antunes Ferreira
Passaram dois anos cheios de normalidade com uns quantos intervalos pouco naturais pois a vida não é toda cinzenta muito menos a branco e preto isso eram as fotografias pois as coloridas que já saíram à praça vieram dar-lhe um arco iris onde não havia ponte com moedas de oiro no fim dele. O Frederico já andava um tanto “desengonçado” como disse a Leonor quando o viu dar os primeiros e titubeantes passos. Também ela cresceu, já andava na primeira classe e ficava derretida quando olhava para o primito Jaiminho que engatinhava e punha-se de pé  agarrado e deitava a mãozita tudo, os putos são lixados.

O casamento da tia Elsa e do agora tio Jaime fora muito singelo, só família e uns quantos amigos, poucos. Os avós do lado do pai apareceram o que me pareceu muito simpático aliás na senda do que tinham vindo a fazer: darem-se connosco independentemente do procedimento do filho. Este não veio nem à igreja nem ao copo de água. Deixem-me que diga que não percebia a denominação: na mesa depois do casório havia de tudo mas copo de água não…
Uma bela barriga


O nosso Frederico portou-se lindamente, foi quem levou as alianças de calção cinzento e casaquinho azul com botões doirados e o padre que realizou o enlace foi o Alfredo, companheiro do tio Jaime desde o liceu até ao seminário. Tudo muito simples como já disse, mas muito sincero e muito bonito. A tia já ia com uma bela barriga de sete meses pois o processo demorara no Vaticano um pouco mais do que era esperado. Mas estava resplandecente e eu não cabia em mim respirava orgulho por todos os poros: acabara o suspense – era o padrinho da noiva e a madrinha era a minha mãe. Os do noivo eram os pais dele.

Bom, já chega de reportagem e de fotos (uma estopada, agora uma com os nubentes, agora outra com a família, outra com, outra mais, outra, caramba, nunca mais acabavam e os rissóis à espera…). Eu já completara doze anos, rompiam-me uns pelitos por baixo do nariz e entre as virilhas coisa que era perfeitamente natural pois estava a entrar na puberdade explicou-me a minha mãe (deixara de chamar-lhe mamã ainda que ela me pedisse para eu continuar a fazê-lo) e a partir daí comecei a considerar-me mesmo homem.

Só mais uma nota porque me pareceu importante. O Olegário trouxe o David – que a minha mãe me sussurrou que era o seu “namorado” –  judeu e tinha o apelido de Levi. Encantou os convidados porque culto e amável e ninguém se apercebeu da ligação amorosa que mantinha com o meu primo. Arquitecto, trabalhava na firma onde o meu pai também exercia engenharia em acumulação com a tropa o que era proibido, mas como era da situação os mandões  fechavam os olhos e assobiavam para o lado.

Já estava a refeição acabada e os dois pediram à minha mãe para lhe dar uma palavrinha porque tinham algo importante ainda que aborrecido mas que ela merecia conhecer. A mãe acedeu e ficaram um bom bocado a conversar. Quando eles se despediram ela chamou-me para me dar conhecimento do que tinham falado e mais uma vez – já eram tantas… - o meu espanto veio à tona da água.

O meu pai estava a viver com a secretária da Betão Seguro S.A.R.L. uma tal Marina Neves de quem já era amante durante o tempo em que estivera casado com a minha mãe e de quem tinha um casal. A minha mãe estava devastada e entre soluços comentou agarrada a mim e eu é que era a adúltera, a prostituta com o agora teu tio Jaime. Mas Deus é grande. Um dia se não for aqui na terra há-de pagar os pecados no Céu. Dei por mim a cogitar que Deus e que Céu eram aqueles que permitiam que tal coisa acontecesse. E mais ainda que nascesse uma criança como o nosso Frederico. Tinha de pensar muito nisso prometi a mim próprio.

Deu entrada no Jardim-Escola João de Deus


Era tempo de tomar uma decisão quanto ao futuro imediato do meu irmão e por isso aconselhei-me com a minha mãe, a tia Elsa, o tio Jaime e o tio Miguel. Após uma troca de opiniões muito cuidadosa e frontal a opinião que tinha saiu vencedora e foi aprovada por unanimidade. O Jardim-Escola João de Deus iria ser consultado sobre a possibilidade de acolher o Frederico em regime de externato. Diga-se de passagem que o tio Miguel se tornara visita habitual de casa pois quando saía do Hospital Universitário de Santa Maria “a tempo e horas” passava por lá.

Foi aceite e deu entrada numa classe especial para deficientes diversos, a primeira que ali houve, o que não era o ideal mas sim o melhor que se podia arranjar. A turma tinha vinte e um alunos três dos quais em cadeiras de rodas por serem paraplégicos, um autista, quatro mongolóides que com o meu irmão passaram a ser cinco, dois meninos e três meninas e os restantes amputados, cegos e amblíopes. Uma mistura heterogénea que mesmo assim nos pareceu funcionar menos mal. As educadoras de infância (que tinham sido criadas em 1930 de acordo com um folheto que nos foi distribuído com a História da Instituição fundada em 1882 pelo mecenas Casimiro Freire) eram carinhosas e competentes. Pelos vistos o Frederico estava bem entregue.

Quando o fomos buscar, a mãe e eu que também o leváramos, o puto parecia feliz. Dizia já umas palavras, poucas e por vezes mal soletradas. Perguntei-lhe então Frederico gostaste da escolinha? E ele com o seu sorriso rasgado, meneando a cabeça: Bom, bom, bom. De resto ele não parava de me surpreender ou melhor de nos surpreender. Depois de um Inverno chuvoso e frio e de uma Primavera assim-assim, o Verão entrou esplendoroso abrindo a porta ao Outono em que estávamos nem sal nem pimenta.
 
Piu, piu, piu, piu
Por uma tarde pintada de cinzento baço fui dar com o Frederico encostado no sofá da sala de visitas (ele adora ficar por ali e já não cai embora se o fizera o trambolhão não era de caixão à cova) a cara apoiada na mão direita mirando com muita atenção um pardal saltitante que debicava qualquer coisa num ramo próximo do parapeito da janela fechada. Não queria interromper o quadro aliás belíssimo mas atrevi-me a perguntar ó maninho o que é isso? Ele, sem tirar os olhos do pássaro que entretanto levantara voo e volteava quiçá em busca de novo manjar milimétrico respondeu piu, piu, piu, piu… Não é só na escola que se aprende; na vida também. E muito.
(Continua)    



37 comentários:

  1. Este capítulo continua com mão de mestre, já que a narrativa é apelativa e o texto lê-se de um fôlego. No final, fica-se com a vontade de ler mais e mais. Por isso, continua que vais bem, muito melhor que a nossa selecção...
    Bom fim de semana, caro Henrique.
    Um abraço.
    PS: as visitas, comentários e demais pormenores, dependem quase exclusivamente das visitas e comentários que fazes aos outros, já que a estratégia predominante é o pontapé para a frente da mera reciprocidade, onde o mérito do jogo a meio campo é preterido a favor do golo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Jaimamigo

      Tocaste em dois pontos qual deles me diz mais, a correspondência entre os comentários de uns para os outros e vice-versa. Porém o segundo é muito mais complexo. a nossa selecção. Cada vez mais me convenço que ela é constituída por nove galinhas tontas, o Rui Patrício e, claríssimo o melhor do Mundo.

      Sem o Cristiano Ronaldo quem é que marcaria golos? Pelos vistos e até à data à resposta podia ser dada pelo romeiro do Frei Luís de Sousa: Ninguém! E sem o Santo Patrício? Só a besta do criminoso BdC o desconsidera...

      Na segunda-feira o Irão é um bico-de-obra. Será que os rapazes do Queiroz e do Oceano irão estragar-nos o apuramento? Já não digo nada. O João Pinto do FêCêPê é que disse: Prognósticos só no fim do jogo...

      Um abração deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  2. Mais um excelente capítulo que li de rajada e me deixou com um gostinho de quero mais.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Elvirinhamiga

      Muito obrigado. No próximo entra o triste para Angola rapidamente e em força! bem como o fim do Estado Português da Índia. As coisas vão-se imbricando.

      Muitos qjs do teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Tuas escritas passam rapidamente pelos nossos olhos vorazes, mas ficam as palavras bem marcadas,Lindo! abração,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Rejanamiga

      Fico babado com as tuas maravilhosas palavras. Obrigadérrimo.

      Muitos qjs lusitanos do teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. Obrigada pela informação, que só agora vi. Desculpa não ter ainda mandado o meu mail. Tenho andado com problemas de visão. Explicarei no email. Venho amanhã ler e comentar.
    Beijinhos, até amanhã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Mariazitamiga

      Trocamos galhardetes pois sou eu que agradeço a tua visita e o teu comentário. Mas fico preocupado com os problemas que tens na visão. A saúde é o maior bem que temos. Fico à espera do imeile e conta-me tudo.

      Muitos qjs do teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  5. Gracias por tu paso significa mucho ya que un personage que me hace la vida imposible diciendo que le copio poemas y muchos seguidores se han ido
    Besos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mi querida Annamiga

      ¡Hola! Tienes todo mi apoyo en lo que reespecta al maldito plagio. Sin embargo, mantén calma.

      Mil qjs de tu amigo desde Lisboa
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Sobretudo a VIDA nos ensina e se não aprendermos a lição ... já era tarde!
    BOM sábado!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga III

      Tu o dizes e eu concordo.
      Bom domingo e boa semana.

      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  7. E aprende-se bastante na vida meu amigo, gostei bastante do que li.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Franciscamigo

      Tal como disse à Gracinha escrevi o que escrevi portanto não podia estar mais de acordo contigo. De qualquer jeito muito obrigado e bom domingo e também boa semana.

      Um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Caro amigo Henrique
    Cada vez, graças à introdução de estórias, diria paralelas ou complementares, à principal; a doença degenerativa... A leitura fica a cada vez mais aliciante para quem goste de, ao ler a ficção, estar a adentrar na realidade, já que esta, sempre se baseia nela para criar os seus escritos. Força amigo, é sempre bom acompanhar criatividades literárias, demais quando nos dá prazer, até por nos dar a oportunidade de confrontar com realidades já conhecidas.
    Deixo um grande abraço de amizade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Danielamigo

      Como sempre tens um comentário que pretende abarcar as derivas do enredo o que mostra a atenção com que segues a narrativa. Muito obrigado. Se a ficção for apenas... ficção já o autor, neste caso eu, fica contente; mas a realidade também conta. Ir buscar exemplos ao que vejo no dia-a-dia é obrigação que cumpro.

      Um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  9. Tenho as leituras em atraso, caro Henrique. Preciso atualizar-me. :)

    Bom domingo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Luisinhamiga

      Pois então e se fazer favor põe a leitura em dia e depois comenta... o que desde já te agradeço.

      Muitos bjs e qjs do casal Ferreira muito teu amigo

      Eliminar
  10. Jesus Christ!!!! Isto é mais complexo que as telenovelas da TVI!!!! Tirando os momentos de poesia pura, claro!!!

    Estou para ver como é que isto vai evoluir.

    Beijinhos, Leãozão! (que o nosso Leão anda muito acabrunhado. :(( )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga (sempre a Primeira)

      Palavra que nem eu sei como esta coisa vai acabar. Mas, porra, como as novelas da TVI?????!!! Por cá não existem nem a Teresa Guilherme muito menos o Goucha, ai, ai!!!!

      Embora,como já citei o João Pinto, prognósticos só no fim a saga...

      Quanto ao folhetim do no nosso Sporting com Assembleia ou sem, a coisa está para durar com o mentecapto/criminoso e desdizer-se a cada hora que passa. Sendo embora adepto da paz, o pulha só lá vai com um tiro na cornadura,

      Sem fazer comparações - longe vá a intenção - mas o D. Carlos e o Sidónio também levaram. Por que bulas o fdp não o devia levar?????

      Mil bjs e qjs do casal Ferreira. A Raquel já voltou a martirizar-me aqui em casa o que quer dizer que está muito melhor...:-)))))

      Eliminar
  11. ainda bem que as coisas parece que se estão a compor para o maninho Frederico!
    assim ele gosta da escolinha, olha que bom:)
    bom texto Henriqueamigo!
    abraço
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Angelamiga

      Não sei o motivo mas a resposta não saiu, por isso repito-a.

      Na vida só há uma coisa que não tem remédio: é a morte, ninguém fica cá para semente... :-))

      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Minha querida Angelamiga

    Na vida só há uma coisa que não tem remédio: a morte, ninguém fica cá para semente... :-)))

    Muitos qjs deste teu amigo e admirador
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  13. Blogger parvo: finalmente a resposta saiu - atrasada mas saiu...

    ResponderEliminar
  14. Algo eu quem não convive com deficientes não percebe, FerreirAmigo - eles são deficientes, não são burros ou parvos.
    E até podem desenvolver outros sentidos que nós, os "normais", não desenvolvemos tanto.
    Forte abraço para ti, beijos para a Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Coimbramigo

      Poizé, quem como tu meu querido amigo tem a dolorosa experiência de viver uma situação bem menos fácil (deixa-me que diga assim para não carregar mais as tintas já de si tão carregadas) pode compreender a questão.

      Quando se lida com esses seres humanos iguais a todos os outros apenas com diferenças pontuais infelizmente há que entender que podem ser tão normais como nós que dizemos que somos "normais".

      Triqjs e um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  15. Menino inteligente, o Frederico. A tua narrativa magnífica, deixa-me com vontade de ler o resto…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga II

      Pelo andar da carruagem e pelo desandar do condutor vis ter para ler quilómetros pela frente - e muitos acidentados. Tudo dependerá do lado de que se levantar este pífio escriba...

      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  16. Bom dia pela segunda vez, amigo Henrique.
    Acabei de enviar email relatando (um relato enorme!!!) o meu problema de visão.
    Agora, sim, li o capítulo, ainda que com uma certa dificuldade... mas "está-se bem" :)))
    A história continua muito interessante e, acima de tudo, muito real. Tenho algum conhecimento sobre o assunto (em parte devido à minha formação em psicologia) e por isso falo com conhecimento de causa.
    O Frederico mostra ser um menino inteligente e observador (o que também é característica dessa deficiência) e vai dar mostras do seu potencial, assim creio.
    Aguardemos a continuação desta história bem estruturada, bem narrada, e que tão bem merece ser-nos mostrada até ao seu final.
    NADA DE DESCULPAS!

    Votos de uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Mariazitamiga

      Já recebi o teu imeile e já te respondi tentando animar-te e dar-te aquilo que posso: as minhas solidariedade e disponibilidade. Tenho a certeza de que os amigos também são para todas as ocasiões e sobretudo para aquelas que tocam a saúde o bem maior que temos na vida. Por isso, por via da blogosfera te irei acompanhando.

      Quando às desculpas essas foram chão que já deu uvas e as vindimas só vêm lá para Agosto/Setembro, pelo que o Frederico irá percorrendo o seu caminho em busca do seu futuro acompanhado pelos que lhe querem bem e pelos a quem ele também quer bem. Assim não falte estofo e pachorra a este escriba gordo e sentado como todos os escribas…

      Muitos qjs do teu amigo (ex-fadista) e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  17. Boa tarde amigo, o Frederico e os outros (muitos) Frederico, tem muito para desenvolver, são capazes de muito mais.
    Boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Antóniamigo

      Muito obrigado, ciente de que aquilo que dizes é mais do que certo - é "certérrimo"...

      Um abração deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  18. INFORMAÇÃO

    Já está no adro e portanto prestes a sair o n.º 6 da saga É DIFÍCIL VIVER COM UM IRMÃO MONGOLÓIDE que desta feita leva o título Um vândalo mentiroso e traiçoeiro. Como é habitual o episódio será publicado na próxima sexta-feira 29

    ResponderEliminar
  19. Mesmo com a família desestruturada, o Frederico batalha e segue com inteligência, pacientemente. Gostei do conto, Henrique! Sucesso! Abraço fraterno. Laerte.

    ResponderEliminar
  20. Meu caro Laertamigo

    Cada vez mais estou entusiasmado com a personagem que criei. Os autores, como é o meu caso, também se deixam enredar no que deram à luz ou seja ao público... Muito obrigado. Só um esclarecimento: não é um conto é uma saga que vai continuando.

    Um abração deste teu amigo
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  21. Passei para ver as novidades.
    A propósito do futebol, se continuarmos a jogar assim, o Uruguai manda-nos para casa... mas espero que não.
    Aproveito para te desejar a continuação de uma boa semana, caro Henrique.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  22. Meu caro Jaimamigo
    Amanhã de madrugada vai haver novidades...

    Tenho seguido o Mundial com a maior atenção. Vejo tudo o que me é possível. Só não vejo os jogos da nossa equipa por causa do meu nervoso miudinho... Ainda me dá uma coisa. Só no fim é que sei. Portanto isso vai acontecer também no sábado...

    Pero Uruguay con Cavani y Suarez es mui complicado, no hay como agarrarlos! A ver lo que pasará... Puede que sea el Día de San Patrícia y de San Cristiano...

    Aber am meisten freute mich die Eliminierung Deutschlands im achten. Law weiß nicht einmal, wie er von den Koreanern festgenommen wurde. Und nur Frau Merkel fehlte, damit die Party größer wurde.

    (NT Mas o que meu mais gozo foi a eliminação da Alemanha nos oitavos. O Law foi entalado pelos coreanos. E só faltou a senhora Merkel para a festa ser maior...)

    ResponderEliminar