2018-04-18






Sabes o que é

um cromeleque?



Antunes Ferreira
(Uma advertência prévia nunca fez mal a ninguém
 antes pelo contrário e por isso ela aqui fica.
Quando comecei a dar os primeiros
passos no jornalismo mais precisamente 
no “falecido” Diário Ilustrado, o Victor da Cunha Rêgo
, um dos maiores Jornalistas que conheci,
 que muito me ensinou e com quem tive
 o prazer, o privilégio e a honra de trabalhar
 deu-me uma das principais regras da redacção
 de uma notícia, de um artigo,
de um comentário, enfim de um
texto – nunca se faz um título interrogativo.
Caramba, mas este acabei de o fazer!
Privilégios da velhice? Que desculpa mais esfarrapada…)


Desde miúdo que gosto de histórias aos quadradinhos como então se dizia e continuo a dizer; aos cinco anos já sabia ler, tinha aprendido pela Cartilha Maternal o João de Deus com a minha prima Queta que tinha doze anos e era esperta como um figo (nunca percebi o porquê de um fruto da figueira ser esperto…) e por isso o meu Pai, além de comprar o Diário de Notícias e o República também adquiria o Mosquito para mim. E A Bola que era semanária.

Foi “vicio” que me ficou até hoje e que confesso com muito prazer. Quando atingi a maioridade a 20 de Setembro de 1958, por emancipação, iria no ano seguinte falecer o meu Pai, um Homem de Bem, honesto, simples, tímido, profissionalmente um gigante que ainda hoje guardo com respeito saudade e admiração. E entretanto, porque eramos uma família da média burguesia a pouca massa de que dispúnhamos foi-se acabando e eu, o filho mais velho dos sete irmãos que eramos comecei a trabalhar e estudar na faculdade de Direito de Lisboa.
Obelix

E dos poucos tostões com que tinha de me desenrascar uns quantos eram para comprar a revista francesa Pilote de histórias aos quadradinhos. Nela apareceram já em 1959 dois heróis que me acompanham até hoje, pois tenho a colecção completa deles – Astérix e Obelix.  Este último um produtor, transportador e distribuidor de menires, gozando da super-força devida à poção mágica criada pelo druida Panoramix, pois quando puto caíra no caldeirão onde este preparava a mistela.

Aqui chegado tenho de explicar o porquê desta introdução ”quadriculada”. Pouca gente sabe, mas Portugal tem monumentos pré-históricos em pedra muito mais antigos do que o Stonehenge, na Inglaterra. Na verdade, são alguns dos monumentos megalíticos mais antigos da Europa. O megalitismo trata dos monumentos megalíticos, construções monumentais milenares, com base em grandes blocos de pedras, que pesavam toneladas.

Alguns dos exemplos mais antigos de monumentos megalíticos surgiram na costa do Oceano Atlântico, na Europa, entre a Escandinávia e a Península Ibérica. Particularmente, no Algarve e Alentejo, em Portugal. A conversa que mantive com o Gonçalo Pereira Rosa – e que levou ao último artigo deste blogue – levou-me à leitura do National Geographic de Março, onde ele publicou o artigo/editorial intitulado Reviver o passado no Cromeleque dos Almendres.

Recomendar a leitura dele seria despiciendo pois j
National Geographic edição portuguesa
á disse no texto atrás referido quem é o Gonçalo. Mas sugerir uma visita ao monumento megalítico isso sim; fazê-lo é realmente reviver o passado mas um passado com toneladas de peso – porque as pedras que constituem o cromeleque são mesmo grandes. A história da sua descoberta tem muitas estórias e azares pelo meio. Foi em 1964 que o pastor António Gardunhas encontrou uma grandes pedras no sítio das Pedras Talhas (o nome vernáculo do local situado na antiga freguesia de Guadalupe ente Évora e Montemor-o-Novo).

Socorrendo-me dos documentos existentes, nomeadamente dólmenes ou antas, mamoas, cromeleques, grutas artificiais, menires e tolos inseridos no contexto da arte megalítica no nosso país foi-me possível chegar a uma totalidade de cerca de trezentos. É obra. E nada nos diz que não haja mais por descobrir. Mas se se voltar à totalidade constatar-se-á que só no distrito de Évora existem (até à data) 55 obras de arte megalíticas.

Para concluir este trabalho sem quais quer pretensões académicas, apenas informativas e muito resumidas aqui ficam algumas características dos principais monumentos megalíticos, a saber.


Menir, também denominado perafita, é um monumento pré-histórico de pedra, cravado verticalmente no solo às vezes de tamanho bem elevado.

Cromeleque, é o conjunto de diversos menires dispostos em um ou vários círculos em elipses, em rectângulos, em semicículo ou ainda estruturas mais complexas.  
O termo está praticamente obsoleto em arqueologia, mas permanece em uso como uma expressão coloquial. Trata-se de monumentos da pré-história, estando associados ao culto dos astros e da natureza, sendo considerados um local de rituais religiosos e de encontro tribal. A grande maioria dos cromeleques existentes em Portugal encontra-se em encostas expostas a nascente-sul.


Dólmen da Orca


O dólmen caracteriza-se por ter uma câmara de forma poligonal ou circular utilizada como espaço sepulcral. A câmara dolménica era construída com grandes pedras verticais que sustentam uma grande laje horizontal de cobertura. As grandes pedras em posição vertical, denominadas esteios ou ortósmos, são em número variável entre seis e nove. A laje horizontal é designada chapéu, mesa ou tampa. Existem câmaras dolménicas que chegam a ter a altura de seis metros. Quando a superfície da câmara dolménica não supera o metro quadrado, considera-se que é um monumento megalítico denominado cista.
  
Ao que tudo indica, os dólmenes apresentavam-se outrora sempre encobertos por um montículo artificial de terra, geralmente revestidos por uma couraça de pequenas pedras imbricadas, formando aquilo que se designa por mamoa


Tolo,  designa um edifício circular, seja um monumento religioso, templo ou sepultura. Na pré-história os tolos eram constituídos por uma câmara circular, com uma abertura para um corredor, e uma cúpula. A cúpula era formada por lajes de xisto sobrepostas, eventualmente com uma coluna ao centro para a sustentar.

Fica aqui concluído este modesto contributo para o esclarecimento dos que acompanham o nosso blogue que continua a tentar ser de todos para todos.

45 comentários:

  1. E eu a ler e a lembrar o Obélix - "sinto-me tão fraquinho, Panoramix" :)))
    E o genial personagem grego, o Courtdeténis :))
    Com os amigos gastámos muito dinheiro, bem gasto, em banda desenhada.
    A minha favorita?
    Corto Maltese, Hugo Pratt.
    Toma lá um grande abraço, dá beijinhos à Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Coimbramigo

      Claro, o Obelix e o Astérix fizeram (e ainda fazem) uma dupla devastadora! São como o Bucha e Estica dos velhos tempos, mas para mim muito melhores.

      Para mim as histórias aos quadradinhos (persisto em dizer assim) melhores do mundo eram as do Principe Valente que além do mais eram da pena do melhor desenhador português, Eduardo Teixeira Coelho, ETCoelho.

      Triqjs um bj da Raquel e um abração para tu deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Carago, ondéque pára a puta da taça???

      Eliminar
  2. Adorei saber o que são os cromeleques e te ler sempre nos encanta! abração,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Chiquitamiga

      Como sempre és uma fofinha. Muito e muito obrigado

      Um bilião de qjs para aí deste teu amigo portuga
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Que grande lição do património pré histórico, conservado no espaço, onde se ergueu Portugal. Como sei pouco do assunto, foi bom ler e reler todo bem, todo o conteúdo da crónica. Sempre a aprender e como diria, um velho amigo: que sabe tudo, somos nós todos. Grande Henrique!...
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Danielamigo

      Ó rapaz, tu estragas-me com mimos... :-))) Com tamanho elogio um dia deste vou passar a "dar lições" pagas em géneros...
      Muito obrigado.

      Um abração deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. Adorei a lição. A mamôa é um monumento funerário? Pergunto isto porque estive na serra da Freita onde há alguns monumentos megalíticos, além de outras coisas interessantes como a Frecha da Mizarela (as pessoas da região chamam-lhe Mijarela) e as pedras parideiras. Mas voltando à vaca fria, que é como quem diz aos monumentos megalíticos a Mamôa da Portela da Anta na Serra da Freita está assinalada como a grande Necrópole de toda a região da serra.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Elvirinhamiga

      É sim senhora. Uma tumba ou túmulo por vezes de grandes dimensões de acordo com as pessoas que neles eram sepultados.

      Tenho vindo a dedicar uma boa parte do meu tempo ao estudo histórico-analítico da época megalítica e em particular em Portugal e cada vez mais me socorro da Wikipédia que posso consultar em casa...

      Desta feita e se estiveres interessada sugiro-te que vás à entrada sobre a mamõa em causa e poderás encontrar as referências bibliográficas que aqui te deixo: ALMEIDA, Carlos A. Brochado de, Carta Arqueológica do Concelho de Esposende, Boletim Cultural de Esposende, vol. 7/8, Esposende, 1985.
      SARMENTO, Francisco Martins, Dispersos: colectânea de artigos publicados, desde 1876 a 1899, sobre arqueologia, etnologia, mitologia, epigrafia e arte pré-histórica: obra comemorativa do 1o centenário do nascimento do autor, Coimbra, 1933.
      JORGE, Vítor Oliveira, O Megalitismo no Norte de Portugal: O Distrito do Porto - Os monumentos e a sua problemática no Contexto Europeu, Dissertação de Doutoramento (policopiada), Faculdade de Letras da universidade do Porto, Porto, 1982.
      SILVA, Eduardo Jorge Lopes da, Novos dados sobre o Megalitismo do Norte de Portugal/Muita gente, poucas antas?. Origens, espaços e contextos do Megalitismo, Actas do II Colóquio Internacional sobre Megalitismo, 2003.
      SANCHES, Maria de Jesus, Recipientes cerâmicos da Pré - História Recente do Norte de Portugal, Rev. Arqueologia, n.º3, GEAP. Porto, 1981.


      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  5. Bom dia. Fantástico texto. Direi mesmo brilhante. Adorei ler e conhecer factos que desconhecia por completo.
    Adoro a vossa foto de perfil. Romantismo maravilhoso.
    .
    * Cavalo e Amazona - amizade sem tempo ( Poetizando) *
    .
    Cumprimentos poéticos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Gilamugo

      Muito obrigado. Muito boa gente me tem dito que escrevo bem - e vou acreditando. Mas, meu caro amigo, tu exageras... :-)))

      Um abração deste teu novo amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Quando andava mais pela estrada em trabalho tive oportunidade de ver e conhecer alguns "dólmen" e "antas" que proliferam pelo nosso milenar Portugal. Um dos templos que mais me impressionou e que aparentemente estava abandonado, foi algo conhecido como a Torre de Centum-Cellas. Um monumento perto do Rio Zêzere.
    Algo maravilhoso e do qual ainda detenho fotos em papel a preto e branco.
    Obrigado pelas explicações muito interessantes e educativas sobre cromoleques.
    Abraço e saudades à Raquel !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu querido Ricardamigo

      Hip! Hip! Hip! Hurra!

      Julguei que nunca mais cá vinhas. Mas hoje graças ao Cromeleque dos Almendres eis que aqui estás. É um milagre milenar a tua visita. Não que esteja a chamar-te homo sapiens :-) mas sim visitante ilustre. Devia estender-te a passadeira vermelha mas, pu-la no prego. Desinfelicidades

      A Torre de Centrum Cellas ou de S. Caetano é um monumento do tempo dos romanos e era uma prisão com as respectivas celas. Continua ao abandono. Hei-de perguntar à Direcção-Geral do Património Cultural o que tenciona fazer a respeito dela. Logo que saiba - apito.

      Bjs e um abração do Casal Ferreira

      Eliminar
  7. AmigoHenrique, ainda não tinha pensado que poderíamos associar os grandes penedos da região de Évora à força do Obelix! mas porque não ?
    visitei esse local onde dizem que há perto de 100 pedras mesmo pesadas, algumas são ornamentadas, no famoso cromeleque de Évora,
    também li algures que essa técnica terá nascido na parte ocidental da Peninsula Ibérica por o clima ser mais ameno, e à medida que o gelo foi desaparecendo a norte, as tribos dessa altura foram subindo e levando o seu conhecimento para norte passando pelo oeste de França onde também se encontram muitos desses monumentos antigos, até chegarem a Inglaterra uns mil anos depois, e aí já sabiam por as pedras em cima uma das outras para formar os pórticos, portanto os arquitetos evoluíram e assim alguns ingleses explicam porque é que Stonehenge, na Inglaterra, foi construído depois de Évora, bem, já não sei onde li isto! abraço
    Angela.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Angelamiga

      Os ilhéus ( a Grã-Bretanha não é uma ilha?) têm mas é dor de cotovelo. Aqui também já se sabia e fazia "tapar" as construções. Eles são mais atrasados porque... são e o resto são tretas... A Grande e Loira Albion...

      Por isso quem sabe diz e eu também digo que Almendres é mais antigo e mais importante do que Stonehenge. Não tem a mesma publicidade, melhor dizendo, não tem a mesma "massa" para difundir publicitariamente a sua existência. Mas lá chegará o tempo... e os euros.

      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Olá, Henrique, sim, li teu texto e fui para a Wikipédia alargar mais o assunto! rsss, não será algo da família dos Moais, na Ilha da Páscoa? Logicamente os Mois foram esculpidos e até hoje é um mistérios como conseguiram levar, emparelhar todos de frente para o mar. Li todas tuas respostas para os amigos, uma boa explicação. Mas fiquei com a dúvida se não seriam parecidos com os Moais, embora soube que ficam em círculos esses grandes pedaços rochosos.
    Beijo, querido amigo, sempre bom te receber no meu espaço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Taisamiga

      Como sempre o teu comentário demonstra que consegui despertar o teu interesse sobre o tema o que naturalmente me deixa muito contente. Os diversos monumentos megalíticos devem ter correlações entre eles pois a teoria bíblica do Adão e da Eva é apenas uma simbologia ainda que os crentes a aceitem e a evolução do homem essa sim é científica por isso verdadeira.

      Ora, não houve só um homem e uma mulher - houve muitíssimos que pela que a antropologia descobriu ATÉ À DATA foram originários de uma zona onde hoje é o continente africano de onde uma pequena tribo se foi espalhado tela Terra. Por isso os Moais - também penso como tu - devem estar de alguma forma ligados a outros povos megalíticos.

      No entanto há também quem defenda - e não são poucos - os que acreditam nos extraterrestres. Há associações deles espalhadas pelo Mundo; em Portugal, natural, também a temos; não que eu faça parte dela... :-) mas muita gente afirma que viu, ouviu e até contactou (???) ETs O Spielberg devi ficar encantado se desse um pulinho até cá. Um dia destes quando me der na mona vou escrever um
      textículo (com x) sobre alienígenas...

      Muitos bjs e qjs do casal Ferreira

      PS (Sou, mas aqui é Pot Scriptum...) - Ficarei muito feliz se me "contra-responderes" a esta resposta... Obrigado

      Eliminar
  9. Meu querido Amigo, bom dia! Hoje a lição de pré-história está excelente. Gostei de ler a tua crónica.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga II

      Por amor de Deus não foi uma lição foi apenas uma pequena informação... De qualquer modo muito obrigado

      Muitos qjs deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  10. Temos uma Travessa formativa, o que é de louvar, já que a TV e a maioria dos jornais querem fazer o pagode imbecil.
    Já passei por algunas destas obras monumentais que são explicadas de forma, muitas vezes, incipiente ou pouco convincente. O pessoal vê as pedras e pensa: como é aquela gente, à unha, as punha de pé? Os gajos teriam dinossaurios amestrados?
    Grande abraço, Henriqamigo, e saúde para todo o clã.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Agostinhamigo

      Tens carradas de razão. E perguntamo-nos sobre as pirâmides diversas, egípcias. maias e outras e não rebobinamos a História até aos milénios...

      Muito se tem discutido sobre a convivência homens/dinossauros. Há que a negue veementemente. Porém nalgumas gravuras rupestres furam encontrados desenhos de animais semelhando tais animais... Quid vobis videtur?

      Um abração ó poeta deste teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  11. Gostei de ler esta informação toda. Mas eu até conheço alguns de os ver ao vivo e a cores lá pelo nosso belo Alentejo que eu adoro!

    Beijinhos alentejanos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga I

      Salve Gracinha! Há quanto tempo não te via por cá?... Muito bem, o Alentejo é uma planura bendita onde há de tudo até de monumentos megalíticos e em quantidade.

      Muitos bjs e qjs do casal Ferreira

      Eliminar
  12. ... mas não conheço o Stonehenge ao vivo e a cores e tenho pena. Até porque estive lá perto e não deu para ir respirar aquela mística toda... :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Gracinhamiga I

      ... eu conheço mas os nossos cromeleques (há vário) são outra coisa... E além do mais são mais antigos. E como se dis na tropa a velhice é um posto...

      + bjs e qjs dos Ferreiras

      Eliminar
  13. Felizmente , conheço a Anta Grande do Zambujeiro( muito mal preservada, onde já nem se pode entrar) e o Cromeleque de Almendres assim como o Menir ,a que uma luminária do futebol fez questão de tornar bem difícil o acesso, só não o destruindo por ser Monumento Nacional.Aliás, destruiu o Monte da herdade, não respeitando os vestígios históricos que continha.

    Tal como a Graça diz, também não me foi possível ir a Stonehenge, mas conheço alguns no Peru e em Malta e passei a dois quilómetros do Hipogeu.

    Abraço grande e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Sãozitamiga

      Há cavalgaduras infelizmente por toda a parte sem que ninguém lhes vá à pele. No meu modesto entender (e quem, ainda por cima andou em Direito) devia haver legislação criminal que contemplasse esses atentados, mas, basta uma autorização duma Câmara e pronto ou prontes como agora se usa dizer.

      Pois ganhas-me por 2-1: fui a Stonehenge mas nunca fui ao Peru nem a Malta... E pelo andar da carruagem já não irei...

      Muitos qjs deste teu amigo ("invejoso") e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  14. Caramba! Ganda lição de História. Uma maravilha.
    Bigado viu :-))

    ResponderEliminar
  15. Minha querida Nonamamiga

    Както казах, това не беше урок, а просто информация. Както и да е, много ви благодаря.

    Много малки сирена
    От вашия приятел и почитател

    Isto é búlgaro. Deu-me na veneta. Traduzo e viva o Tradutor Google:
    Como já disse isto não é uma lição é apenas uma inconformação; de qualquer jeito muito obrigado ó jeitosa
    Deste teu amigo e admirador Henrique o Leãozão

    ResponderEliminar
  16. R: Também eu estava em Luanda no 25 de Abril de 1974. Morava por cima do Bazar Oriental em frente à Missão de S, Paulo, e era a empregada da Secretaria do Colégio Cristo-Rei dos Irmãos Maristas.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Elvirinhamiga

      Os espanhóis dizem que El Mundo es un pañuelo e é verdade. Se calhar até nos encontrávamos, pois a última coisa que ali fiz foi trabalhar como secretário do Conselho de administração da TAAG até fui quem desenhou o logótipo da companhia que ainda hoje se mantém mas com cores diferentes.

      Mbeju
      Henrique, Kuonene hoji

      Eliminar
  17. Gracias por este regalo de historia y cultura.

    Saludos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mi querido Toro Salvajamigo

      De nada. Hasta la proxima.

      Abrazo de tu amigo desde Lisboa
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  18. Olá Henrique
    começo por lhe dar uma notícia
    no tempo do blogue: Travessa do Ferreira eu já o visitava!!!
    E esta, hein?
    Como dizia o Fernando Pessa!

    Eu estava em Moçambique no 25 de Abril de 1974.
    Só cheguei a Lisboa/Portugal no fim de 2016
    Lá na minha cidade também havia o Colégio dos Irmãos Maristas.

    Sobre o tema do post
    posso dizer que estive há 2 anos a visitar Stonehenge!
    Era um dos meus sonhos e concretizei-o
    Peru não penso ir,
    mas Malta está na minha lista de prioridades para breve

    Gostei de ler esta informação toda.
    Muito grata pela partilha.

    Ah quero dizer-lhe que lhe enviei um mail (testamento)
    em resposta ao comentário que deixou no meu blogue

    Beijos e queijos
    da Kalinka (Tulipa)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Kalinkamiga/ Tulipamiga

      Esta blogosfera é um caleidoscópio mágico a toda a hora se encontra gente boa que há muito tempo encontrámos e depois desaparecemos uns e outros na voragem do tempo.
      Mas, ao fim e ao cabo voltamos a encontrar-nos o que é muito bom. As informações que trocas comigo e vice-versa são bem o exemplo desse calor humano, dessa empatia que se estabelece entre dois seres que só se conhecem por esta via e por ela aprendem o valor da Amizade.

      Vamos continuar suavemente sem sobressaltos e em viagem de cruzeiro. Tá?
      Muitos qjs deste teu amigo viajante empedernido
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  19. Estou seguríssima de, em tempos, ter observado de perto todo o monumento megalítico descoberto em Portugal até aos meados da década de sessenta do século passado. Estou segura disso por ter o pai que tive, não por mérito próprio, embora deva confessar que essas enormes pedras me fascinam e que li com muito interesse esta sua publicação, embora por cada leitura mais prolongada pague o alto preço da dor de cabeça por esforço ocular.

    Deixo-lhe aqui o tal queijinho metafórico/metonímico, porque... porque aos reais não chego.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Maria Joãmiga

      Cada nova Amiga que aqui chega para mim é uma alegria como é o teu caso e mais ainda fazendo um comentário, o que também vou vou colocar no teu blogue. Agradeço-te a vinda e o texto.

      Sou um verdadeiro Históriadependente , desde miúdo. Para mim as disciplinas de que mais gostei e gosto e gostarei são o Português, a História, a Política e o Futebol, mas este o verdadeiro, o Desporto e não a chachada e a negociata e o crime em que se transformou.

      Por isso e chegado a velho, mas não jarreta (gaba-te cesto..) enveredei pelo megalítico. E tenho no lobo frontal uma ideia de voo mais alto que em devido tempo tentarei pôr em prática no teclado; mas isso são outros quintos mal réis. Assim tenha vida tempo e pachorra para o fazer.

      Muitos qjs deste teu novo amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  20. HenriquAmigo.

    Se me fizesses essa pergunta aqui àtrasado, dir-te-ia que não, mas fiquei a saber o que é um Cromeleque, nomeadamente, o dos Almendres, porque fui pesquisar, aquando do teu último post. Justamente por falares no livro do teu amigo Gonçalo.

    Sinceramente, dou-te os parabéns pelo excelente texto informativo que este representa. És um grande jornalista que muito me orgulho de ter por amigo.

    Daqui para a frente não mais colocarei um título interrogativo nas minhas publicações! :-)
    As aprendizagens dos meus amigos, minhas serão!

    Um grande abraço e beijo, para ti e tua Raquel, respectivamente. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Janitamiga

      Muito obrigado pelas tuas palavras, aliás mais umas e mais uma vez que tens a gentileza de me "atirar" Um destes dias o próprio Gonçalo Pereira Rosa um Homem Grande ainda que jovem também me considerou entre os grandes jornalistas portugueses pelo menos da minha geração.

      Tenho de confessar que sem falsa modéstia isso faz-me bem ao ego. E se as Amigas (como tu e outras) e os Amigos assim me consideram começo a pensar que até pode ser verdade... Muito obrigado querida alenejada emigrada no Norte... :-)

      Bjs e qjs do casal Garc...oops, Ferreira

      Eliminar
  21. Amigo Henrique
    Fico muito feliz por ver-te de novo a escrever. Só hoje me dei conta...
    Gostei muito do teu texto e devo dizer que não sabia da existência destes monumentos, neste local. Obrigada.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida Beatrizamiga

      Depois de largo tempo eis que de novo me visitas o que me deixa, como sabes, muito feliz. A amizade é dos bens mais preciosos que para mim existem e ainda bem que este reatar t permitiu conhecer a realidade dos monumentos megalíticos em Portugal.

      Muitos qjs deste teu "velho" amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  22. Henrique, gostei demais da tua história de vida, letramento e cultura atual respeitável. Parabéns! Li com atenção e aprendi bastante. Minha gratidão! Não sei se leste a obra de Apolônio de Rodes, O ARGONAUTA que supostamente havia uma civilização matriarcal nos Açores, ao que tudo indica bem antes da era cristã, e agora descobri um vídeo que evidencia a presença humana nos Açores bem antes dos portugueses. Veja: https://mosteirosmiguel.blogs.sapo.pt/acores-documentario-da-national-38119 É bastante interessante. Grato e abraço amigo. Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Silo Líricamigo

      Li, sim senhor e pelas muitas vezes que fui os Açores - tenho família em Ponta Delgada e também por motivos profissionais - estive em todas as ilhas e escrevi vários textos sobre o arquipélago, naturalmente m deles sobre a Atlântida que não podia faltar...

      Mas tantas estórias, lendas e mitos se têm escrito, contado e filmado sobre esse misterioso continente e o que é facto é que ele nunca foi encontrado embora as pesquisas tenham sido inúmeras; agora parecem ter abrandado. É um pouco, salvo as proporções, o que se passa com o monstro de Loch Ness...

      Vou ver o site.

      Um abração deste teu amigo

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  23. Um contributo magnífico, já que fiquei a saber algumas coisas que desconhecia.
    Parabéns por esta excelente crónica.
    Continuação de boa semana, caro amigo.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro Jaimamigo

      Ora anda bem. O megalítico português é riquíssimo. Muito obrigado pelo que me dizes

      Um abração deste teu amigo e admirador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  24. Beautiful image the building You chose well for the theme.
    Your blog is very nice,Thanks for sharing good blog.
    คาสิโน

    ResponderEliminar