2017-11-17





Uma loira
e duas morenas
no deserto

As loiras sempre foram motivo para anedotas; mas elas tal como os alentejanos são sempre citados pela burrice ou por ridículas situações que protagonizam mas sem culpa nenhuma. Os gentios é que os usam (os alentejanos e as loiras) para os outros fazerem chicana. Há estórias de loiras por tudo o que sítio. Sendo que não sou adepto de tais anedotas, vou contar um episódio brincalhão sem querer ofendê-las; longe de mim essa intenção.

As loiras ficaram para a História. Muitos os autores que as referiram cantaram-nas de todas as formas. Com trabalho árduo foram limpando maledicência que muitos haviam dito delas e lagartos quanto à alegada burrice e situações ridículas, como atrás o autor escreveu; mas, pelos vistos, a ironia prevaleceu. Continuaram a viver a sua via dolorosa tal como Cristo percorreu até chegar ao Gólgota. Pobres loiras!
Camões escreveu nos Lusíadas, mais precisamente no canto IX, a fábula da Ilha dos Amores, onde os navegautas encontraram as ninfas e começaram a jogar o jogo dos amores com elas; o Poeta fez o verso que se segue, naturalmente apenas um traço para não chatear as nossas leitoras e os nossos leitores. Diz Luís Vaz de Camões

Duma [das ninfas] os cabelos de ouro o vento leva
Correndo, e de outras as fraldas delicadas.
Acende-se o desejo, que se cava
Nas alvas carnes, súbito mostradas

Camões também conta no seu poema épico uma das mais belas estórias de amor, drama e desgraça, ou seja a de Dom Pedro e Dona Inês de Castro. Apesar de ter casado com Dona Constança Manuel, Pedro, encontrando a loira Inês de Castro, uma das aias da princesa casadoira, apaixonou-se loucamente por ela. Mas a estória teve um final funesto. Irritado com o procedimento do Infante o seu pai, D. Afonso IV resolveu dar cabo de Inês, e os nobres Pêro Coelho, Álvaro Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco foram à Quinta das Lágrimas em Coimbra e apunhalaram Inês sem dó nem piedade e até na presença dos filhos que tivera de Pedro. O final é ainda pior se é possível.

Pedro tomado dum furor louco mandou executar os fidalgos assassinos arrancando-lhes os corações, os pulmões e os fígados pelo arcaboiço. Pedro que casara secretamente com Inês iria coroá-lo depois de morta, e estando ela já amortalhada obrigara os cortesãos a beijar-lhe o anel de Rainha e declarou o casamento oficial. Luís Vaz de Camões também cantou nos seus Lusíadas o drama horrível:

Inês e Dom Pedro


Estavas, linda Inês, posta em sossego,
De teus anos colhendo doce fruito,
Naquele engano de alma, ledo e cego,
Que fortuna não deixa durar muito.
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuito,
Aos montes ensinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas

Do teu príncipe ali te respondiam
As lembranças que na alma lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus fermosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que menriam,
De dia, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria

Assi como a bonina, que cortada
Antes do tempo foi, cândida e bela,
Sendo das mãos lactivas maltratada
Da menina que a trouxe na capela
O cheiro traz perdido e a cor murchada;
Tal está, morta, a pálida donzela,
Secas do rosto as rosas e perdida
A branca e viva cor, co a doce vida

Lady Godiva

 Diz a lenda
que a bela e loira Lady Godiva ficou sensibilizada com a situação do povo de Coventry, que sofria com os altos impostos estabelecidos por seu marido. Lady Godiva ter-lhe-á apelado tanto que ele acordou conceder com uma condição: que ela cavalgasse nua pelas ruas de Coventry. Ela aceitou a proposta e Leofrico mandou que todos os moradores da cidade se fechassem em suas casas até que ela passasse. Diz a lenda que somente uma pessoa (Peeping Tom) que por uma frincha da sua janela ousou olhá-la, e ficou cego por consequência. No final da história, Leofrico retira os impostos mais altos assim mantendo sua palavra.


1.           
Agora vá-se à anedota com
Vá-se ao deserto
piada, ainda que ironiza as loiras. Duas morenas e uma loira tinham ido ao deserto, num carro de tração às quatro rodas, para admirar as dunas e os seus movimentos ondeando como se fora num oceano. Mas nem sabiam o que Sol e o calor lhes destinavam, porque o carro pifara, causando-lhes sentimentos desesperados. Sabiam que nas areias do deserto a possível salvação obteriam.

E por desfortuna delas nem um pequeno
Nem um oásis
oásis não viam e miragens nem vê-las! Por mais pequeno que fosse, pelo mesmo caminho iam andando trôpegas, aos tombos e trambolhões que o filho da puta do calor caindo pesado e sufocante abafavam . E de repente uma das morenas parou e atirou-lhes uma sugestão: elas tirassem uma parte do carro Para quê? Respondeu a outra morena já pejada de suor. Foda-se!  Precisas que te explique ou queres que faça um boneco?
 
Adicionar legenda
As coisas estavam a dar para o torto e para evitar uns sopapos decidiram levar uma parte do carro; a primeira morena adiantou: eu levo o radiador, pelo menos bebemos água. E a segunda morena: boa! Eu cá levo o tejadilho sempre nos cobre do Sol. E virando-se para a loira: que levas? E a loira respondeu: prefiro levar uma porta… Caramba! Uma porta!
As morenas entre-olharam-se e repetiram: Uma porta????

A loira já exaltada encheu-se de brios: vocês ainda se vão chorar por mim, faço-vos uma falta; Depois vão chorar na cama. As mornas já irritadas: porra! Não nos fod… digo, trames. Por que raios vais levar uma porta: E a loira: se houver muito calor baixo o vidro da para gozar uma brisa…


35 comentários:

  1. Não sou fã de anedotas que inferiorizem pessoas, sejam elas loiras ou morenas, amarelas, brancas ou negras, alentejanas ou nortenhas, nunca consegui ver graça, nem entender as gargalhadas de alguns, mas... cada um é como cada qual e eu serei, aos olhos de muitos esquisitinha.
    Em contrapartida gostei de recordar a história de Pedro e Inês.

    Boa noite Sô Henrique

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida nonamiga

      Admito o teu modo de ser. TU ÉS SEMPRE VERDADEIRA E FRONTAL

      Mts qjs do que é teu amigo

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  2. HenriquAmigo.
    Também não sou afeito a anedotas que depreciam sobremaneira outrem.
    Como sabes sou lusófilo e, nesta condição, fico exasperado quando ouço
    - aqui - piadas infames proferidas pelos meus patrícios alusivas a lusitanos.
    Parvos são estes meus patrícios mentecaptos.
    Mas cá entre nós, que ninguém nos ouça ou leia, a loira da porta foi, como diriam meus amados ex-regidos: "da hora","mó legal", "porreta" e acrescento: supimpa.
    Muita força para ti, bem como para tua valorosa e destemida consorte, a Dona Raquel, por amparar teu irmão Braz, numa fase da vida que ele precisa do apoio incondicional dos entes queridos.
    Tu és 4 anos mais velho que o Braz.
    Forte e solidário abraço.
    Caloroso abraço. Saudações solidárias.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Casto confradamigo

      quanto aos dois primeiros parágrafos peço-te o favor de leres a resposta que dei à querida nonamiga.

      No que concerne ao meu irmão Braz e às palavras que endereces à minha querida Raquel só tenho que te agradecer.É nestes momentos mais difíceis que só posso agradecer. E lembra-te do ditado que diz É nos momentos mais difíceis que os Amigos aparecem
      E tu és meu Amigo. Do outro lado do Atlântico a diferença que nos separa é a mesma que nos une.

      Já te macei demais. Por isso recebe um abração to teu amigo
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Boas anedotas
    https://retromaggie.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Querida Magdamiga

    Muito obrigado

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  5. Isto é que é imaginação. Uma lição de história para contar uma anedota. Sim senhor. Gostei
    Um abraço e bom domingo

    R: para a sua frase de que escrevo com a velocidade do galgo a correr na planície, é que eu já ultrapassei os setenta amigo. Nesta idade a vida já não é longa, e eu tenho tantas histórias nesta coisa que trago em cima do pescoço...

    ResponderEliminar
  6. Elvirinhamiga

    Muito obrigado

    Tenho de juntar com a velocidade do galgo a correr na planície ou como o Speedy González :-))))

    Qjs do teu amigo da velocidade
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  7. Confesso que, vindo de uma família de morenos, nunca fui muito apreciadora de loiras. Até que a vida me presenteou com uma bebé loira de olhos azuis. E de tola não tem nada. Adorei o textículo.

    ResponderEliminar
  8. Querida Maria do Mundamiga

    Parabéns pela bebé loira! A propósito como é que ela se chama? Tenho a certeza que é espertíssima. Mas pode ser uma negação das loiras na generalidade... e na especialidade...:-))))) E muito obrigado por adorado este textículo.

    Qjs do
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  9. Oh meus deuses!!! Pobre loiras.... E, apesar de tudo, as mulheres não param de pintar os cabelos de... loiro... Burras e masoquistas!

    Beijinhos de uma não-loira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gracinhamiga

      Tens muita das loiras; mas a pesar disso essas mulheres continuam a pintar os cabelos de... loiro... Burras e masoquistas! (quase te plagio.:-))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

      Bjs da Raquel e qjs do teu adorador
      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  10. Oi Henrique
    Reclamastes que ainda nao te visitastes,mas sim,estive por aqui ja faz um bom tempo rs Vou levar o link senao passa despercebido. Minhas desculpas.
    Estive afastada dos blog's por motivo de saúde. e estou voltando devagar até me enturmar,de novo rs
    Qto ao texto e sobre as loiras algumas de fato nao merecem_ as 'originais 'sao bonitas já as de 'farmácia' essas até fazem jus as brincadeiras de mau gosto.
    Um abraço grande.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Lisamiga

      Foi há tanto tempo que eu perdi a conta.. Poizé levar o link é boa política. Eu sei, depois da maldita bipolar compreendo-te

      As loiras são sempre...loiras

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  11. rsss, esse final da loira foi medonho!!! Das tantas "histórias" que conheço, não escutei nem li algo parecido...a porta do carro!!
    E quanto a Pedro:
    "tomado dum furor louco mandou executar os fidalgos assassinos arrancando-lhes os corações, os pulmões e os fígados pelo arcaboiço".

    Que coisa horrorosa!!!

    Beijo, uma ótima semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Taisamiga

      Foi, realmente medronho...oops. medonho... para baixar o vidro da janela...

      ... e a culpa, vendo bem a coisa, foi o D. Pedro. Que ideia estúpida de ir à caça deixando a pobre Inês sozinha. A vingança do Rei inarrável

      Qjs para mnha querida brasuca do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Afinal pregas-nos uma lição de História para nos mandar pró deserto! Com loiras ou morenas dá no mesmo: sede, muita sede.
    Valhem-nos as santas. Duas morenas e um loira? Por que não três louras ou três morenas, para evitar zangas?
    E, no fim, para cúmulo, tomai lá, que é democrático: uma portagem da brisa!
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Agostinho tens tanta graça :-)), embora a minha seja melhor c'a tua.

      Deixemo-me de comparações Eu devia dizer sede, muita sede. Então por que bulas não teriam buscar uma bujeca no meio do deserto.

      Balhem-nos santas... oops mãezinhas julgar com a pronuncia da gajada do Nuerte, valham-nos, minha mãezinha! É toucourt courte uma questão de matemática; podiam ser quatro loiras ou quarto morenas; E, senão sabes, ficas a saber: tenho carta verde.

      Abç do moreno acastanhado,

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  13. Velhinha mas dá sempre para rir
    Loira burra, não era assim a canção??
    Aquele abraço para tu, beijos para a Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Coimbramigo

      Velhinha: velha? Mão velhos? idosos sim (politicamente correcto...)

      Da canção? Nem sei niente dela; ou quiçá não me ocorra. Ando tão balhelhas que nem sei o que digo... :-((

      Triqjs às trimininas e abç para tu

      Henrique, Leãozão

      Eliminar
  14. A louras sempre deram que falar. Para o bem e para o mal. Gostei do teu recurso ao Camões e à História de Inês de Castro. E confesso que achei a anedota deliciosa. Espero que estejas bem.
    Uma boa semana, meu Amigo.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gracinhamiga

      Faz-me feliz: gostaste de tudo; eu te agradeço também pelo estado da maldita bipolar.

      Qjs do teu

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  15. Estou a acusar o toque, às queixas de não passar por aqui mas, isso não é verdade, tanto não é, que o meu comentário consta entre os primeiros, afinal de que se queixa hã?!

    :-))
    Boa Tarde Sô Henrique

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida nonamiga

      Touché... :-(

      qjs do quetadora-te
      Qjs do sô Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    2. Querida nonamiga

      :-))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

      Eu com qjs

      Eliminar
  16. Eu costumo usar aquela da casca de banana. Éinevitável, hehe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Dianamiga

      Boa! :-)))))))))))))))))))))))))))))

      Eliminar
  17. Pois bem, Henrique, eu não gosto das loiras.
    Gosto sim, dos loiros.
    O meu loiro não é nada burro, é sim, muito bonitinho.

    ResponderEliminar
  18. Querida Teresinhamiga

    Boa! O Loiro merece...

    kleine Käsen

    ResponderEliminar
  19. Querido HenriquAmigo.

    Quando me dizem sentir saudades minhas...não resisto; derreto-me toda como manteiga exposta ao calor do deserto...
    Se há história de Amor que admiro e prezo é a de D. Inês de Castro e de D. Pedro! Maldito Afonso IV...
    Mas a vingança foi cruel!

    Eu não gosto de loiros, sabias? Adoro morenaços, assim tipo ciganos.

    Como sempre escreves bem no teu estilo descontraído e leve, para nos fazer sorrir. Gostei. :)

    Beijinhos para a querida Raquel e um abração para ti, Leãozão!! :))

    ResponderEliminar
  20. Querida Janitamiga

    Apareceste tipo Virgem Maria (Creio que percebeste, mas pelo sim, pelo não explico pedindo-te desculpa por o fazer. Então; Apareceste>>>>>Virgem Maria :-))) )

    Tenho uma ganda dívida,...oops, dúvida: manteiga dos Açores ou mangaria Vaqueiro?

    Tou d'acordo; eu vingareime do cabrão gajo que furou os pneumáticos

    Também como tu adoro os moren... 'da-se (para pan...oops já basta o Maricas do Malato; adoro sIIIIIIIIMMMMMM as morenas e as mulatas - fiu,fiu, isto quer dizer assbiar :-))))))))))))))))))))))))

    Bjs da Raquel (goesa e consequentemente morena) e qjs no sítio do costume do teu admirador
    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  21. Gostei do nome travessa,
    Pois moro em uma também:
    A Carreirão. E convém
    Dizer que acham avessa

    Tal palavra como essa.
    Só há ela e já não tem
    Mais alguma, sei porém
    Que em Portugal, há à beça.

    Gostei das fotografias
    Das loiras lindas e esguias
    E também tão sensuais.

    As piadas, são manias
    Aí, aqui, e em outras vias,
    Hilariantes e iguais.

    Gostei imensamente do espaço com o qual eu me identifiquei bastante. Parabéns! Grato pela partilha! Voltarei, Henrique - o Leaozão. (Eu sou um simples leãozinho e, de signo zodiacal, apenas). Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar
  22. Caro Silo Líricamigo

    Estou tão eufórico que já mando fogo de artifácio..., digo, de artifício e mandar garrafas de champanhe para lhes fazer saltas as rolhas - pum!Cs'tá claro que o motivo destas comemorações é a primeira das muitas vezes que aqui chagas... oops chegas aqui.

    O teu soneto é o exemplo do que tu és um verdadeiro poeta; nem vale a pena que gostei, gostei muito. Parabéns.

    Fico à espera de nova vinda :-))))))

    Abç do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  23. Antunesamigo,
    O Marco Paulo, como quem não quer a coisa, descobriu o ovo de Colombo da questão, abrangendo dois amores: uma loira e uma morena. Será que foi apartir daí que surgiu a expressão "politicamente correcto"? :)

    Abração

    ResponderEliminar