PASSO A PASSO

2016-10-27


Em busca do filho
 da pauta 

Antunes Ferreira

C
hama-se Luís Fagundes da Silva e é segundo sargento saxofone da banda da Guarda Nacional Republicada, que dizem ser a melhor banda militar do País – e é (e o resto é paisagem…). Tem tocado por tudo o que é sítio – a banda e com ela o Fagundes obviamente – desde os concertos nas ruinas do antigo Convento do Carmo até à colónia de emigrantes em Nework, passando pela Venezuela, Rio de Janeiro, São Paulo, Paris, Berlim, Montreal e pela aldeia da Senhora do Vale de Baixo, porque o cabo Mendonça é de lá e o senhor comandante autorizou, mas só uma parte, a dos instrumentos de sopro, se fossem todos nem em cinquenta coretos caberiam…


P
orém, desta feita, está encarregado de um serviço que não tem nada – nada? Nadíssima!... – com pautas, claves de sol, fusas, semifusas, dós, rés, mis e neste preciso momento faz xixi ao sol. Quem lhe havia de dizer que em três dias consecutivos fora mobilizado para três ocorrências cuja música era outra longe, muito longe, da que estava habituado a tocar. O serviço era muito, os efectivos pouquíssimos, os objectivos lixados e depois de uma palestra a atirar para a psique do tenente-coronel Chicharro, a banda tinha dado corda às botas regimentais e aí foram eles, incluindo o Fagundes.

... das minas de São Domingos



T
ratava-se de procurar um tal filho da puta chamado Pedro Dias, que em Aguiar da Beira assassinara a tiro um guarda, camarada dele e um civil e quase mandara para os anjinhos uma senhora que acompanhava o falecido a tiro. O segundo sargento que não levava o saxofone sente-se nu. O instrumento de nada lhe serviria se topasse com o cabrão, mas à fé de alentejano das minas de São Domingos donde era, se o topasse, mesmo que o gajo viesse de fusca em punho, ia-se a ele e até palitaria os dentes depois de o comer à dentada.


É
 claro que ficara admirado quando o enviaram para uma tal diligência sem estar minimamente preparado. Mas el-rei manda avançar, não manda chover. Os militares da Guarda ficaram assarapantados: nem, ao menos uns coletes anti balas? Nos filmes que a televisão dava, toda a malta com ar de autoridade os usava, aliás de várias cores que até ficavam muito bem nos portadores. Cenas eventualmente chocantes – mas sem bolinha vermelha…



M
as as coisas não tinham ficado por ali. Os homens arrebentados de tantas andanças, para cá e para lá, por matos e pinhais e caminhos escalavrados, tinham recebido ordens para parar com aquela cegarrega. Resultados népia. Depois seria o caso de um puto de dois anos que desaparecera de casa dos avós, um “mistério” que metia por certo grossa mescambilha e umas massas graúdas, pais separados, enfim, o trivial. Quando elas acontecem quem as pagam são os putos. São os gemidos quando se fazem, são os insultos quando se desfazem.



P
orém para ajudar os homens entre eles o Fagundes o pessoal ainda fora a correr tentar caçar outro gabiru que também matara um cidadão. Caramba, é demais, pensa o segundo sargento sem saxofone, enquanto vai mastigando uma sandes de presunto de entre umas quantas que uma senhora compassiva veio ofertar acompanhadas de um tinto de estalo, é da nossa colheita, se quiserem mais é só dizer. Coitados, bem precisam, no estado em que estão… E o senhor é quê? Pelas divisas deve ser general. Muito mal devem estar as coisas pois até um general anda metido nestas embrulhadas…
Sem barba e com barba



F
agundes disfarça, tem vergonha de dizer que é apenas segundo sargento saxofone – mas sem instrumento, quer dizer, saxofone, não vá a benfeitora ficar na dúvida… – da Banda da GNR. Por isso pergunta à benemérita se sabe se há novidades do tal paneleiro, desculpe minha Senhora, queria dizer, do tal Pedro Dias, não tem que pedir desculpa, mulher séria não tem ouvidos e nos dias que correm já ninguém se importa com isso... Mas a televisão diz que o homem a quem chamam Piloto foi visto na Galiza nas aldeias de Sandias e Xinzo de Limia.



E
 quando horas depois um autocarro da Guarda o vem buscar, Fagundes deixa-se adormecer por escassos minutos, ou seja, passa pelas brasas. E continua a cismar em tudo o que aconteceu. A Guarda não está minimamente preparada para crimes daquela dimensão. Está sim para averiguar o motivo que levou um vizinho a matar um outro à sacholada. Divisão de terras, cursos de águas. Ou quando um cidadão dá cabo de outro por suspeita de estar a ser empalitado. E pouco mais.


A
 falta de coordenação entre as diversas forças no tereno, ou seja entre os comandos delas, eles próprios, andaram a apanhar papéis dando como resultado que no terreno o pessoal desamparado tivesse a sensação que andava a apanhar bonés, atrás dos jornalistas o que não deixava de ser verdade. A incrível distribuição de equipamentos, por exemplo, como já tinha referido, a falta dos coletes anti balas. E sabia-se que o fugitivo atirava a matar.

o amado saxofone



E
m resumo, conclui Fagundes, um potpourri carregado de pólvora condimentado pela incompetência, pela incapacidade, pela indecisão e pela descoordenação. Pelo menos. No que lhe toca pessoal e profissionalmente se calhar vai-lhe cair em cima um auto de averiguações, pelo menos, quiçá um corpo de delito; E, naturalmente, a família. Mas, espera também que vai ter à sua espera o seu precioso e amado… saxofone.  





24 comentários:

  1. FerreirAmigo,
    O fugitivo é muito esperto, conhece muito bem o terreno, estará a ser ajudado, mas realmente já se torna incompreensível como pode andar desaparecido há quase três semanas.
    Aquele abraço, bfds, beijinhos para a Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coimbramigo


      Não pode haver atenuantes para esta situação tão caricata. O homem (dando de barato que conheça melhor o terreno onde inicialmente se deu o crime) anda a gozar no resto do país e quiçá já no estrangeiro.O pedido às entidades policiais da (des)União Europeia parece uma anedota mal contada...

      Qjs e abç para tu

      Henrique, o Leãozão (unidos na desgraça...)

      Eliminar
  2. Não é nada fácil encontrar uma pessoa naquele terreno, desconhecido para a GNR e PJ, mas bem conhecido pelo foragido (só parece fácil para os citadinos... eheheh...).
    Por isso, não querendo desculpabilizar as autoridades e a sua eventual incompetência, é normal que estes casos levem semanas, meses ou até anos para serem concluídos.
    Mas gostei do texto.
    Caro Henrique, tem um bom fim de semana.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jaimamigo

      Poizé, eu já não credito no Pai Natal... Levei tempo (horas, meses, anos, séculos, milénios...) mas, finalmente já não credito. No menino Jesus ainda ando a treinar...

      Obrigado pelas tuas palavras

      Abç Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Enfim, já não bastava a telenovela enjoativa que obrigava os desavisados telespetadores a perseguirem um fugitivo, como se fosse nossa obrigação, vens tu com outra perseguição!!
    Desculpa a minha falta de disposição para humor negro...

    Afilhado, há muito não me fazes uma visitinha...
    Não digas que estás doentinho, porque fartaste-te de escrever!
    Convido-te para um café e bolo, na minha publicação dedicada à 3ª idade.

    Rápida recuperação, põe-te fino.
    Beijinhos e abraços para ti e Raquel.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida madrinhamiga

      Tens razão; mas se reparares bem o mesmo acontece com os outros blogues com quem vou tentando manter contacto. Não me vou justificar - mas as chatices têm vindo a ser tantas que só tenho tido disposição - e pouca - para ir escrevendo os meus textos. E mesmo assim...

      Quando conseguir pôr a cabeça em cima do pescoço vou recomeçar as visitas pelos blogues de tantas Amigas e Amigos que bem o merecem. Digo-te já que a primeira serás tu.

      E na segunda-eira voto à UCS da TAP (onde me tratam como se fora um príncipe...) para mudar o penso e ver como está a perna entrapada...

      Bjs & qjs do casal e em especial do afilhado Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. Henriquamigo, como sempre deliro com as suas crónicas :)

    Esta "pauta" é demasiado complicada para a nossa GNR que está habituada a concertos mais modestos :)
    Depois a mediatização também não ajuda nada. Puxa vida foi mesmo um mês à americana :)

    Um beijinho para si e para a Raquelamiga com o desejo de melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Fernandinhamiga

      A GNR e outros que tais não conseguem consertar este concerto ainda que tenham banda e sinfónica de cinco estrelas; mas o andamento é outro...

      A informação e a comunicação também andam a brigar em busca da cacha do share ou seja daquilo que vende papel ou imagem ou mesmo som mais do que outros. Enfim quanto à americanada... nada

      Bjs da Raquel e qjs do Henrique o Leãozão

      PS Querida Fernandinhamiga. as coisas continuam na mesa quanto às datas do desgraçado do blogue nos outros blogues. Estou disposto a PAGAR a quem resolva o problema. Se souberes quem, pede-lhe para me contactar. Obrigado

      Eliminar
  5. Se não foi fácil encontrar o "palito" que ao pé deste parece um aprendiz de feiticeiro, será muito mais difícil encontrar este.
    Um abraço e tudo de bom para vós.

    ResponderEliminar
  6. Querida Elvirinhamiga

    O "Palito" é um ajudante de auxiliar de estagiário de praticante enquanto este pulha tem a escola toda, a especialidade e outras coisas terminadas em ade tais como otorrinolaringologista. Talvez daqui a a 3.987,4 anos os arqueólogos encontrem as suas ossadas...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  7. Meu querido amigo, confesso que fiquei com pena do Fagundes. Quanto mais não lhe valia ele estar a tocar o seu amado saxofone... Claro que o fugitivo não é fácil de encontrar. Às tantas até já o ajudaram a sair da Europa.
    A tua narrativa, deliciosa como sempre.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  8. Querida Gracitamiga (I)

    Poizé, o Fagundes estava, como é normal, habituado ao seu instrumento; quiseram que tocasse outro e... deu o que deu. E mais: isto de fugas em música é uma tragédia; depois de elas acontecerem não há quem as agarre...

    Uma vez mais - muito obrigado. E uma sugestão: vê, sff comentário cá do rapaz no "Vivenciar a Vida" da Majo...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  9. Tudo isto é surreal!
    Custa-me adiantar pareceres sabendo que nada sei sobre a realidade dos factos.
    O que sei é que o fugitivo é perigoso , está desesperado e é capaz de tudo.
    Compreendo que os habitantes estejam cheios de medo.
    Ser policia neste país não é fácil...
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Papoilamiga

      Dizes bem: tudo isto é surreal!

      Num país como o nosso, um caso como este adquire proporções que noutros não costumam ter. Sabe-se que o criminoso está armado, por isso é duplamente perigoso e desesperado, também como dizes, é capaz de tudo.

      Costuma dizer-se que quem tem cu tem medo: pudera, com um bicho destes...

      Ser polícia nunca é fácil - aqui ou em qualquer lugar

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  10. Pois é querido amigo Henrique, e hoje 1 de Novembro o homem ainda não
    foi apanhado. Estava na Irlanda quanto tal aconteceu e conseguia ver
    os telejornais de cá, em casa de familiares, e eles fartavam-se de rir
    das televisões darem tanto tempo ao assunto e do homem nada...
    Pois é, onde estará o homem? Mistério do ano.
    Dão-se alvíssaras?
    Um abraço amigo
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Irenamiga

      Se o caso não fosse muito preocupante, poderia dizer-se que se tratava de uma anedota... negra. Uma fuga de um criminoso durante tantos dias e num país tão pequeno é caso para admirar e para recear. E só não é para rir pois o tipo é muito perigoso e está aparentemente desvairado.

      Confesso que também tenho vontade de gozar com o assunto; mas, vá-se lá saber se ainda podem acontecer mais desgraças...
      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  11. Gostei deste tom ligeiro de crónica policial, onde nem falta um sargento saxofoneiro.
    Se o tal Manel Palito se não tem entregue, por mor e medo, dos rigores do Inverno, também ainda hoje andaria a monte. Imagina agora, um experiente caçador, descendente de abastados progenitores e amigos por tudo quanto é lado.
    O mais certo é não ser apanhado.
    Não querendo ser pessimista, acho que vai ser mais um caso como o da pobre Joana e da inglesinha Mady...dado como encerrado e arquivado.
    Aqui, não há geringonça que nos valha!!

    Que, ao menos, o Fagundes tenha o seu instrumento em boas condições, quando chegar a casa!!

    Um abraço e as melhoras, Henrique. E parabéns pela excelente crónica.
    Um beijo à Raquel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Janitamiga

      Esta não é uma crónica quase policial; é, sim, uma não crónica quase não policial. De outro modo seria de rir aos molhos, tal como o alecrim faz aos teus lindos olhos. Mas, eu não vou nisso: saxofone e pão com chouriço.

      Imagina tu o Fagundes a chegar a casa depois de uns dias fora alegadamente a procura do "piloto" e a Hermengarda a sua cara-metade descobrir que ele vinha com o instrumento avariado. Caía o Carmo e Trindade - e nem o mestre da Banda o safava...

      O Manel Palito foi chão que já deu uvs, bem como a Maddy e a Joana. Bem vistas as coisas, é preciso que se diga que isto aqui não é a casa da Joana!... :-)))))

      Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Sou daquelas pessoas que gosta de assistir a actuações de Bandas Filarmónicas . Também já tive a oportunidade de estar presente nas Ruínas do Carmo, precisamente a ouvir a Banda que menciona .Ainda por cima à borla . Gostei imenso ! Não é à toa que as filas para a entrada davam voltas e mais voltas ao quarteirão .
    Ao ler o seu post , de resto escrito de forma muito apelativa , fiquei a saber , porque desconhecia , que os músicos da GNR faziam outros serviços que não fosse apenas tocar na sua Banda ...
    Saúde !
    Madalena Amaral.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Madalenamiga

      Antes do mais quero registar a tua primeira visita com comentário à NOSSA TRAVESSA o que me deixou muito . Agora só te peço para continuares e se o quiseres fazer tornar-te minha seguidora. Obrigado

      No que concerne ao primeiro parágrafo do teu comentário apenas te dio que já somos... dois :-))))

      Quanto ao resto é pura ficção. Ai de quem escreve se não conseguir "ficcionar..."

      Qjs = queijinhos = beijinhos do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  13. Mais uma crónica de truz, Com peso e medida certos.
    Assim é que é reportar, não como essas "arvėolas" que espanejam as penas à chuva para o CM e similares (ninguém quer ficar para trás na pseudo informação de modo que a parvoíce medra melhor que o bolor na broa).
    Não bastavam os desgraçados dos GNR andarem em manada a fazer um serviço que deveria ser discreto ainda arrastam os fazedores de telenovela por tudo quanto é estrada, serra ou aldeia.
    Dizia um certo empreiteiro para o encarregado duma obra, que cá sei, tentando iludir uma "enrascada", "oh Zé Maria, poe-me aqui um homem competente!", O Toinico da picareta (o mesmo que amarrava à traseira das camionetas estacionadas os bois deixados pelos lavradores na berma da estrada), por entre o riso escaninho que lhe marcava a figura, tratou de desfazer as dúvidas a quem as tivesse com um sonoro "e vê-lo!".
    Se houvesse... evitavam-se maçadas ao Fagundes distinto saxofonista da banda, que, assim nem apanha o bandido nem toca. E o instrumento a enferrujar.
    Pelo que percebi, ainda andas com a perna em bandoleira... Rápidas melhoras e... que se Lixe o campeonato.
    Grande abraço.

    ResponderEliminar
  14. Amigo Henrique, também aqui não há noticias sobre onde estará o homem?!
    mas acho que ele é comando ou algo do género estão dá para perceber...
    cada um com a sua categoria profissional
    as melhoras para si
    abraço
    Angela

    ResponderEliminar
  15. A esta hora, o fulano já se bandeou para o Brasil ou para mais longe e estes anjinhos andaram dias e dias a dar-lhe pistas pela TVI e pelo Correio da Merd, digo Correio da Manha....

    ResponderEliminar