PASSO A PASSO

2017-10-17


O mistério da escada
do Cintra

Antunes Ferreira
Corria Antunes Ferreira o ano de 1957 quando nasceu um pimpolho ao casal Sintra que vivia na Musgueira. Os pais, não sendo católicos praticantes, decidiram batiza-lo. A cerimónia ocorreu na igreja de São João. Aquando da água benta, todos os assistentes, excluindo naturalmente o neófilo, deram-se conta de alguma indecisão do prior da paróquia. Adiante.


Pia baptismal


Como era habitual, o registo religioso decorreu na sacristia e aí se deram conta os presentes que o digno sacerdote  teria abusado do vinho de missa. Eu bem dia que ali havia coisa segredo na coisa, sussurrou a Hermínia peixeira na praça da Ribeira ao ouvido da Irene vendedora de roupas num estabelecimento da Baixa que a mandou calar.

Desta feita foi o sacristão Maurício que procedeu ao registo. Ora Maurício tinha apenas a segunda classe sem qualquer especialidade, e ali começou a saga do nome do crianço. Pais e padrinhos apuseram o dedo na página por ambos serem analfabrutos; o puto nada apôs, apenas berrava como uma vitela desmamada. O nome escolhido era Xavier Carvalho Sintra.

E o sacristão, cuidadosamente para não haver rasuras no documento, escrevinhou Chavier Cravalho Cinta. E foi um par por um olho, podia ser pior quanto ao primeiro apelido que podia ter originado comentários mês conformes aos bons costumes. Ele há coisas que por aí correm e o que não faltam são maliciosas

.  
Esticadores para os colarinhos
      

Aos seis anos via-se que o gaiato tinha queda para os negócios: vendia esticadores para os colarinhos e atacadores para sapatos e botas, na esquina dos Restauradores com a rua do Regedor. Um ano depois era ardina, etc. Faz o autor um hiato para não cansar os leitores (ainda os haverá?) Assim vamos encontra-lo como grume no hotel Avis onde vivia o Senhor Gulbenkian. Tinha 15 aninhos.

Aconteceu que o doutor Perdigão achou piada ao gajo e levou-o para a Fundação que entretanto fora criada. Chavier com ch decidiu pelo estudo nocturno na Veiga Beirão donde passou para o Instituto Comercial e para o Instituto Superior de Enconomia e Finanças; terminou com um 16, uma nota excelente. Era doutor.

Um império multiempresarial 

Entretanto disse adeus ao presidente e abriu um escritório próprio para assuntos do seu ramo. Depois foi papelaria e mais umas quantas, transportes de toda a espécie, hotéis e restaurantes, turismo e quejandos. Em suma, milionatizou. Construiu um império multiempresarial.

Vai daí casou com a Maria Alzira Silva que para não destoar tirou as Novas Oportunidades. Ainda foi para a faculdade, mas no segundo ano desistiu. Estava farta de compêndios e livros. Tiveram dois filhos e uma filha, malta fixe, cena porreira. Do andar nas Avenidas Novas passaram para uma moradia,
Moradia Chavier
na Alta de Lisboa, três andares, a cave ginásio fitness duas piscinas, uma com água quente para o Inverno, sauna e minudências diversas e outras vivendas uma na Aroeira, outra no Algarve. Estava como queria.

Todos os milionários têm uma ou mais gajas. Obviamente o Senhor Doutor Chavier com ch tinha uma a Lurdes, Luluzinha, a quem pôs um andar de cinco assoalhas no Restelo e outras mordomias consentâneas com o seu estatuto. Visitava-a todas as quartas e sextas pois tinha horário nocturno por mor do muito trabalho. A Alzira que no entretanto passara a ser a Senhora Doutora Dona Alzira, que não acreditava nem um biquinho nas justificações do querido esposo, também arranjou um namorido que era o jardineiro dos jardins do palacete e por singular coincidência se chamava Xavier mas com x e sempre ficava mais à mão de semear. Uma felicidade perene.

Dois degraus da escadaria


Mas, inopinadamente aconteceu um drama, uma grande chatice, não há rosas sem espinhos. Quando ia a entrar no seu Rolls Royce para ir para o escritório, o mordomo Serafim veio comunicar ao Senhor doutor Chavier com ch que durante a noite, sem ninguém dar conta e com o alarme desligado  tinham desaparecido dois degraus da escadaria em lioz mais branco e puro que dava do rés-do-chão ao terceiro andar. Porra! Que merda vem a ser esta, tantos cuidados e ninguém dá conta desta sacanice. Se apanho o filho da puta agarro-o pelos colhões e adjacente e dou-lhe uma carga de porrada, que o fodo! Se me der na veneta até o capo!  

O Senhor Doutor Chavier com ch era adepto da trampa, ops, do Trump e para acrescentar, quando jovem tinha andado pelo Cais do Sodré com elas, como as iscas e pelo Intendente e pela feira popular, ó jeitoso dá (-e) um tiririnho, por vezes lembrava-se do linguajar mais desbocado. Porém o pior ainda estava para vir. Três noites depois tinham-se sumido mais quatro degraus: Pêjota ao barulho.

Com a águia vitória II


Esta descobriu que o bandalho que roubava os degraus era o Xavier com x que era benfiquista dos que até cantam as papoilas saltitantes do falecido Piçarra. Andava a juntar os degraus em lioz para substituir na estátua do Marquês este com o leão pelo Orelhas com a águia. Se fosse a águia II tudo bem; mas o emblema do Benfas, vá lá, também servia.

Pelo contrário o Senhor doutor Chavier com ch era lagarto, lagarto, lagarto. Podia perdoar os devaneios da Senha Doutora Dona Alzira – e perdoou; mas ao pulha que tem na alma a chama imensa (Ver nota anterior) nem pensar! E tudo acabou em bem salvo para o ex jardineiro: o Xavier com x foi à vida, seguiu para o presídio. O que o autor não sabe se - como se passou com o Sócrates, - foi ao Pinheiro da Cruz


NOTAS
A Este textículo não tem nada que ver com «O mistério da estrada de Sintra» da autoria dos Senhores Eça de Queiroz e Ramalho Ortigão. Se assim fora, isso significava que o autor era uma besta quadrada
B Muito menos tem qualquer malévola intenção de se pensar que tem semelhança com o ex rei das Águas e x presidente do Sporting clube de Portugal (SCP).
C De repente, sem saber porquê estava o autor no domingo passado refastela no sofá preferido assistindo às aventuras do Morse e deu por si com vontade de voltar a escrever. Parece, portanto que vou melhorando da maldita bipolar. Creio que o escrito acima origina um pedido de desculpas aos que há quase um ano não se esqueceram dele



Malditos fogos!
O autor tem obrigatoriamente de se referir aos catastróficos incêndios que já causaram muitas vidas, localidades perdidas e instalações industriais e comerciais. A todos aqui fica registada a minha solidariedade que se dirigem a todos que têm combatido essa calamidade.


37 comentários:

  1. Gostei da história e mais ainda do regresso e das melhoras
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gabrielamiga

      Já me contentava com 7.007...

      Bjs da Raquel
      Qjs do

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  2. Gabrielamiga

    Muito e muito obrigado. Só

    Qjs

    Raquel e Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  3. Abençoado textículo que em boa hora veio, HenriquAmigo!
    Ah, a falta que nos tens feito!

    Se te tens posto melhorzinho na passada semana terias ido connosco ao Palácio, não do Chavier Cravalho Cinta, mas de Alverca, mais conhecido como Casa do Alentejo.

    Um Beijinho e continuação de melhoras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janitamiga

      Mal chagado e começas logo a enviar muitos miminhos. Obrigado!

      Adoro a Casa do Alentejo e os seus rendilhados. Sou meio alentejano pois a minha Mãe era de Portalegre; mas não perdem pela demora...

      Bjs da Raquel (que como sempre me acompanhou e amparou e animou e me aturou. É uma Grande mulher e companheira) e qjs do

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. Meu Caro. Belo regresso. Reincide, por favor! Forte abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Chicamigo
      Muito obrigado; e já estou a reincidir pois um novo textículo na forja.

      Bjs da Raquel e abração do

      Henrique o Leãozão

      Eliminar
  5. Que bom te ver melhor, amigo Henrique!
    Bem-vindo sejas!!!
    beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Taisamiga

      Muitíssimo obrigadíssimo

      Qjs do

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. FerreirAmigo,
    Tenho tido medo de perguntar por ti.
    Finalmente confirma-se que no news is good news.
    Estou a ficar sem stock de anedotas, carago!
    Toca a mandar um monte delas faxavor!
    Grande abraço para tu, beijos para a santa da tua mais que tudo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coimbramigo

      Como vai Macau e as suas girls? E as tuas?

      Penso que estou a remendar a maldita bipolar, e agradeço o teu cuidado.

      Bais ber cumo elas mordem quando começarem a chagar-me, ops, chegar-me

      Abração para tu e y tus muchachas

      Não te amofines com a alemãozada. Este ano é o FêCêPê que vai ganhar a liga... Esquece Leipzig

      Eliminar
    2. E já lá está o teu mimo.
      Segunda-feira vai mais outro.
      Porra que andava preocupado contigo!!
      Aquele abraço, beijinhos para a Raquel

      Eliminar
  7. Fico contente por teres voltado e com o teu humor de sempre...
    Que venhas para ficar e que a tua saúde continue a melhorar.
    Um beijo, meu Amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracinhamiga

      Agradeço do coração todos os teus votos

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Meu querido amigo, que bom que se tenha s sentido

    capaz de escrever est post. Fiquei muito feliz por si

    e pela Raquel.

    Eu deixei de escrever nos meus blogues há umas

    semanas não sei se será definitivo ou não.

    Mas o que interessa é senti-lo melhor.

    Um grande abraço

    Irene Alves

    ResponderEliminar
  9. Querida Isabelamiga

    Um lindo comentário que quase me chegar lágrimas de satisfação!...

    Deixa-te de tretas e continua com os teus blogues que (me) nos fazem falta.São muito muito bem escritos e é um gosto lê-los

    Bjs da Raquel e qjs do

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  10. Com 76 já não penso em ilusões apenas em desilusões. Vem isto a propósito do número de comentadores sobre o textículo a cima oito<– 8 –
    Pensava (e ainda penso) que depois de ter voltado à bogosfera, tendo melhorado bastante em relação à recaída da depressão bipolar, muita gente, entre comentadoras e comentadores haveria de comentar o facto no ano horribilis de 2017 em que estive como uma pedra de basalto, alapado num silêncio quase tumular, abúlico e tristonho. Burro, besta-quadrada, mil vezes burro esperava-os. Chegaram 8 - oito como acima digo. Fica aqui apenas o registo. Agradeço aos muitos que não vieram comentar

    Melhores cumprimentos a todas e todos que até agora não comentaram

    Henrique Antunes Ferreira

    ResponderEliminar
  11. E aqui venho eu comentar mais uma vez - só para referir que tirando o meu primeiro que é bem pequenino, todos os outros comentários valem pelo menos por 10, e assim este regresso é como se já tivesse tido mais de setenta comentários!
    um beijinho e um bom dia
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gabrielamiga

      Ver resposta a cima

      + Bjs e qjs

      Raquel e Henrique, o Leãozão, Ai que Juve...

      Eliminar
  12. Só agora descobri como comentá-lo, com aquela coisa das reacções, cliquei no divertido e achei que tinha fechado as mensagens, ainda bem que não. :-)

    ResponderEliminar
  13. Nonamamiga

    Diz o ditado devagar se vai longe diz o povo e tem carradas de razão; ainda bem que aqui chegas-te, ainda bem que descobriste a pólvora bloguista, ainda bem que comentaste. Estou muito feliz por te ver por cá!!!!...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  14. Ora seja muito bem vindo de volta!!! Cá voltamos às habituais novelas do Henriquamigo!!

    Vê-se que a maldita da doença já lhe deu tréguas - ainda bem!!

    Beijinhos para o Leãozão e para a sua doce Raquel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Graacinhamiga

      Muito obrigado - mas só agora??????????? :-):-):-)
      Esperei em vão palavrinha que fosse de Leiria, mais concretamente de Vossa Insolência, sobre o meu desgraçado de saúde. Fiquei muito minguado, ops, magoado...

      Prontes não se mais nisso, mas...


      Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  15. Saúdo o seu regresso, caro Henrique! Não se apoquente com os números. Eu, pessoalmente sempre gostei mais das letras. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luizitamiga

      Já somos dois. Mas enviando o meu muito obrigado peço que leias a resposta à Gracinhamiga

      Qjs do

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  16. Estou absolutamente feliz com o teu regresso, querido amigo Henrique.

    Vou voltar para ler e comentar sobre o tema do teu texto.

    Para já, abraço-te com amizade 😘

    ResponderEliminar
  17. Querida Teresinhamiga

    Wwie geht's

    Und ich bin fast (gut, ich war noch nie ...)

    Vielen Dank für die Worte

    Ich warte auf dich

    kleine Käse

    Henrique

    ResponderEliminar
  18. Feliz por este teu regresso sinal que as coisas começam a correr melhor.
    Vim ler esta tua magnifica crónica.
    Vim ler mas, por email, vou explicar a razão por que estou e vou continuar ausente. Um abraço

    ResponderEliminar
  19. Manelamigo

    Muito e muito obrigado, Amigo

    Fico à espera do que me queiras dizer.

    Abç

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  20. Ganda Anrique, de volta e em forma!
    (publiquei o teu textículo na Zorra)
    Abração

    ResponderEliminar
  21. Cunhamigo

    Duas vezes obrigado

    Abç

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  22. Bem "regressado" amigo Ferreira e, ao que parece, de novo de boa saúde.
    Fez-nos falta, homem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bagonhamigo

      Muito obrigado

      Henrique o Leãozão

      Eliminar
    2. Mas quem será este S. Bagonha? Não me lembro....

      Eliminar
  23. A bipolar não te roubou o talento para escrever, Henrique.
    Um escrito com o humor habitual.

    Grüße aus Düsseldorf 🙂

    ResponderEliminar
  24. Teresinhamiga

    Muito obrigado. Hoje saiu um novo textículo que podes ler em cima... Mais uma maluquice..

    Kleine Käse

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  25. Ora aqui está quem era desejado!!! Não el-rei Sebastião (muito fraquinho na bolsa, nem sequer podia pôr as mãos nos bolsos...) mas o nosso grande amigo, o Henriquamigo, sportinguista dos sete costados.
    Fiquei muito contente por ir sabendo que a "máquina" ia reagindo, embora lentamente, mas, quando vi aqui, preto no branco a prova... fiquei mesmo bué de contente. Até me apeteceu brindar. Como ando com a bomba e canaliZação avariada (já há mais de um ano), e os Sr.s doutores entendem que devo ficar quieto, fiquei-me pela intenção.
    A história? Excelente. Fartei-me de rir. Especialmente com as "ressalvas" que vêm no final do texto. O testo que tapa a caldeirada, eficientemente.
    Grande abraço, Leãozão.

    ResponderEliminar