PASSO A PASSO

2016-11-24

A velha
e o cão


Antunes Ferreira


O
 tamanho do cão era pelo menos duas vezes o da velhinha que o segurava pela trela enquanto ele ia cheirando aqui e ali a fim de encontrar o local ideal para fazer as suas necessidades e marcar o seu território. Tranquilamente, sem esticar a correia, o animal parecia guiar a senhora embiocada de negro. Na mão esquerda trazia um chapéu da chuva e em ambas luvas igualmente pretas. Nunca chegarei a saber porquê mas pareceu-me tirada de uma tela de Henry Jones. E nem sou particularmente adepto da escola inglesa do século XIX

E
u estava numa Repartição das Finanças para pagar um imposto de que me esquecera e por isso acrescido da multa correspondente. O número que tirara da máquina distribuidora de senhas ainda vinha longe, acabara o livro policial que trouxera como entretenimento e agora mirava através da vidraça a cidade a secar. Parara de chover há pouco mais de uma hora, mas de acordo com os meteorologistas as nuvens negras – para eles cúmulo-nimbos – as cargas de água voltariam a qualquer momento.
O que tu queres é ver...



S
entado num dos bancos pré atendimento um casal tipo provinciano, a senhora tricotando placidamente (um casaco de malha, um cachecol, um suéter?), ele acabando de ler o Correio da Manha que trouxera do táxi (“as gordas, eu não sou de grandes leituras”) e ela pensando enquanto dava às agulhas (“o que tu queres é ver as gajas quase nuas, os homens são todos iguais…”), “Ó mulher, isto ainda demorará muito?” “Está para lavar e durar, temos o 187-D e no quadro ainda vão no 89-B” “Devíamos ter trazido uma bucha, é o que é… homem prevenido vale por dois”



A
 senhora idosa e o cão pararam na beira do passeio, como se na rua em frente houvesse passadeira para peões; mas não havia. O bicho deve ter ganido, apenas o pressupunha, o vidro, a distância e o tráfego impediam-me de o ouvir. E que trânsito! Filas enormes, veículos quase encostados uns aos outros, piso escorregadio em paralelepípedos, uma manteiga, e gente, muita gente anónima numa rua desumana salpicada de charcos acabados de chover.

Uma bizarma carregada de tijolos



F
oi então que reparei que a senhora era cega e o cão o seu guia. E ainda que ela pretendia atravessar a rua sem ser na passadeira, ao que o cão se opunha; mas era teimosa e avançou arrastando o animal que fincava as patas no asfalto. À frente da fila do trânsito – a rua era de sentido único – vinha um camião carregado de tijolos, uma bizarma de cabine cor do Inferno. Sobressaltei-me e corri para a rua: a velha ia ser atropelada. E o cachorro também.

Um gigante de boné vermelho


U
ma chiadeira tonitruante de travões, o condutor saltou da cabina e pegou no braço da senhora levando-a cuidadosamente para o passeio do lado de lá da rua. O cão seguiu-os com a trela de novo lassa. Tudo parecia ter terminado bem não fora o coro de impropérios vindos dos diversos veículos que seguiam o camião “filho da puta, cabrão, tiraste a carta a quem?, bandido quase me matavas!” e por aí fora. O motorista era um gigante com dois metros ou coisa que valesse, boné vermelho, todo músculos, barba de três dias.


D
irigiu-se calmamente ao condutor do primeiro carro que ao vê-lo avançar tentou levantar o vidro da janela, mas o matulão deitou-lhe a mão impedindo-o de o fazer, e sem levantar a voz “ Foi o senhor que chamou qualquer coisa que não ouvi bem à minha falecida mãezinha?” O cavalheiro do carro não disse nada – mas ficou branco. Voltando-se para o resto da fila, repetiu a pergunta. Respondeu-lhe o silêncio.



F
oi na altura que se ouviu uma voz baixinha vinda do passeio “És tu, Alfredinho?” O matulão virou-se e de repente avançou para a velhota “Ó Dona Lurdes, nem a conheci”, abraçou-a carinhosamente e deu-lhe dois sonoros beijos. “Sabes, Alfredinho, depois de tantos anos a tua voz encorpou-se mas continua a mesma…” Em dois minutos combinaram encontrar-se, “minha querida Dona Lurdes, o trânsito está fo…, difícil…”



V

oltou para a cabina. E a Dona Lurdes adiantou-se um pouco para atirar um beijo de despedida; um chico esperto, impaciente, carro modelo top, farto de esperar, acelerou, ultrapassou a fila, acertou na velha, passou-lhe por cima e  fugiu. Ela ficou enrodilhada no asfalto, com um ribeirinho de sangue a correr. Estava morta. Esmagada. O cão uivou. Alfredinho voltou a saltar da cabina,

E antes que cobrissem o corpo...
e antes que cobrissem o corpo, ajoelhou-se junto dela, pegou-lhe na mão que perdera a luva e beijou-a repetidas vezes. Recomeçara a chover e os pingos grossos da chuva misturaram-se com as lágrimas grossas do gigante “Era a minha professora da terceira classe…”  

37 comentários:

  1. Pois, mas o Alfredinho devia ter tirado a matrícula ao atropelante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os matulões nem sempre são espertos. Mas quem sabe, talvez, até a tenha tirado e o atropelante tenha sido castigado.

      Eliminar
    2. Caro Cunhamigo

      Tinha se tivesse tempo e oportunidade; mas era mais importante acompanhar na morte a sua professora da terceira classe

      Bjs da Raquel e abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    3. Querida Teresinhamiga

      Scheiße! Isto está uma ganda confusão: a resposta ao Cunhamigo vai misturada com a tua e o matulão já nem sei onde para. A última vez que o vi estava ajoelhado a beijar a mão morta vai bater àquela porta oops, morta da Dona Lurdes sem sequer ter tirado a matrícula do carro do Hurensohn que matou a velhinha. Desembrulha-te

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  2. Porque mataste a vélhinha, Henrique?

    Uma linda história, embora triste, mesmo a calhar na época do Advento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ich wünsche dir ein kurzschliges und gemütliches Wochenende 🐯

      Eliminar

    2. Vielen Dank, dass Sie eine große und erholsames Wochenende Woche ist auch für Sie
      kleine Käse

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    3. Querida Teresinhamiga

      O enredo era assim - como havia de não o cumprir? Com muita pena, mas foi mesmo em cheio.

      Ad vento de Cuba? Pois claro, morreu o Fidel...

      kleine Käse

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  3. Também faço a mesma pergunta que a Teresa - porque é que mataste a velhinha??
    Gostei da história, não gostei da morte da velhinha e do FDP que a matou.
    Aquele abraço para ti, beijinhos para a Raquel, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Coimbramigo

      A única, repito a única coisa que temos certa na vida é a morte. Assim sendo, por que bulas a Dona Lurdes não havia de morrer? Eu só a ajudei - e não me chamo Kevorkian...

      Tribjs e qjs e abç para tu

      Henrique o Leãozão

      Eliminar
  4. :( Aposto que o carro topo de gama era um mercedes e o gajo usou a estrela para fazer de ponto de mira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Gilamigo (sem ???...)

      Faço marcha atrás e não tenho um mercedes, tenho um modesto hyundai accent com 12 anos... Portanto não tenho - nem sou - estrela. Mas com esta conversa da treta já me ia esquecendo de te dar as boas vindas. volta logo que quiseres; mas depressa...:-)))

      Aç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  5. Estava gostar muito da história, mas o fim deixou-me desconfortável, confesso. Não estava à espera deste desfecho trágico. A velhinha não merecia...

    Um abraço e um bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida MissSmilamiga

      Poizé! Mas, antes do mais, sê muito bem vinda. Fico muito feliz com a primeira visita e o primeiro comentário. Obrigado.

      Já entendi as mensagens e até peno que devo fundar um Sindicato dos Comentadores Contra a Morte da Velhinha (SCCMV)...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Mataste a velha professora mas criaste um matulão coração de manteiga.
    Uma história triste. A vida é tramada.
    Grande abraço, Leãozão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Agostinhamigo (II)

      Só tu éke m'entendes. É mesmo assim como dizes. E mais: quem escreve assim não é ggggaaagggooo... Claro cumo binho tinto: a bida é madrasta.

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  7. História tão bem contada mas com final triste...pena.
    Bom fim de semana
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Papoilamiga

      Tenho a honra de te comunicar que já estás´proposta para o SCCMV (ver por extenso acima) Logo que possível enviar-te-ei o cartão de sócia...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Pois é amigo esta sua história teve um fim triste...
    mas às vezes sucedem casos idênticos.
    A pressa das pessoas é algo aflitivo nos temos que correm.
    Desejando que esteja bem e sua mulher.
    Bjs.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  9. Querida Irenamiga

    Vivemos realmente num Mundo impiedoso em que a velocidade, a ganância, a insensibilidade,o lucro, os milhões são os deuses aos quais os homens têm duas posições: os os que dominam, os que detêm o dinheiro, o que o mesmo é dizer o poder e os que amocham, que dobram a coluna, que fazem vénias para obter umas migalhas umas esmolas que não chegam para viver.

    E assim vamos sobrevivendo - e morrendo como a Dona Lurdes

    Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  10. A história é muito bonita. Mas os seus leitores não vão gostar da morte da velhinha. A malta anda tão cansada das agruras do dia a dia, que o que os encanta são histórias de finais felizes. Talvez seja por compensação, mas é assim.
    Um abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Elvirinhamiga

      Não se pode gostar de tudo. Se todos gostassem do amarelo que seria do castanho, do roxo, do verde-alface e do lilás? Lembra-me sempre a estória do bêbado:

      O corpo há que satisfazê-lo e contrariá-lo: se ele pede vinho dá-se-lhe vinho; se ele pede água, então dá-se-lhe... vinho...

      Mas, já tenho no prelo uma estória com um final muito feliz. Juro.

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  11. Henriquamigo, junto-me ao coro, não devia ter matado a velhinha ;)

    O enredo ia tão bem,a repartição de finanças tão normal e o matulão tão bonzinho...se calhar o desgraçado que a atropelou tinha chumbado na primária :D

    Um beijinho para si e outro para a Raquelamiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Fernandinhamiga

      Poizé, mais uma proposta para o SCCMV... No entanto a segunda parte do teu comentário é bem interessante e prima pela lógica: o malandro que atropelou e fugiu deve ter chumbado não só na primária mas também na carta de condução... :-)))))))

      Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Desta vez comoveste-me com a tua história maravilhosa e cheia de humanidade (tua, claro)... Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  13. Queria Gracitamiga (I)
    Há muito tempo (demasiado, talvez...) que não me chamavam humano/b>... Mas, vieste tu, minha querida e falas de humanidade (minha). Comovido fiquei eu, comovido e feliz o que aparenta ser quase contraditório; mas não é: porque tu que jogas com as palavras como eu jogava com o pião na minha juventude, sabes jogar esse jogo...

    Qjs do teu admirador Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  14. OURO DE LEI

    Quase todos os comentários a este post afinam pelo mesmo diapasão: O texto é lindo mas não devias matar a velhinha. Portanto decidi fundar o SCCMV. Mas, o próximo post vai ter um final feliz ao gosto de quem ainda o vai ler. E o título será Ouro de lei Qjs & abçs Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  15. Boa tarde, amigo! é uma historia que pode ser real, a mesma é comovente, não é o modo de vestir, nem a riqueza exterior que revela inteligência e bom carácter, é pelo carácter que devemos avaliar e não por gestos e sorrisos automatizados, amigo! peço desculpa pela minha ignorância, assim sendo, diga-me uma coisinha, afinal quem é que tinha ou tem tipo provincianos, é o casal ou o meu amigo, o que é o "tipo provinciano?" como se avalia esse tipo, ou será que também é, uma maneira de descriminar?.
    Boa semana,
    AG

    ResponderEliminar
  16. Caro Gomesamigo
    Ignorantes são os que não são capazes de pensar, de se interrogar, de usar como medida o bom senso, a verdade, a honestidade e solidariedade. Esses é que são ignorantes, repito, o que não e absolutamente, o teu caso, caro Amigo.

    Boa pergunta... Sou alfacinha, mas também sou provinciano, da província da Estremadura, agora caída em desuso, mas que persiste quanto mais não seja na minha (nossa?) memória. Quando escrevo provinciano não tenho nenhuma intenção de descriminar quem quer que seja - até porque para mim os Homens são todos iguais.

    Exceptuando a cor da pele e do cabelo... por dentro têm/temos todos coração, pulmões, fígado (o meu é mau...) ossos, cérebro etc. e tal. Donde provinciano é apenas uma forma de dizer que vem da província que não é oriundo da cidade capital... No caso vertente e o casal...

    Muito obrigado pela pergunta. Se a resposta não for suficiente ou incompleta diz que tentarei fazer melhor... (*)

    Abç do Henrique, o Leãozão

    ***********
    (*) O exemplo da Teresinhamiga (ematejoca) é elucidativo. > troca de correspondência - mesmo a electrónica - é sempre salutar.

    ResponderEliminar
  17. Gostei muito do conto, afilhado.
    Há gente horrível a quem não devia ser dada carta de condição,
    porque há testes para tudo, até para avaliar o caráter.
    Beijinhos e abracinhos para ti e Raquel.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    PS - Passa pelo meu espaço - tenho fado. Vais gostar.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida madrinhamiga

      Fico muito feliz por me dizeres que gostaste deste textículo. Costumo perguntar a quem diz ter tirado a carta de condução: "mas a quem foi?" :-)))))

      Já fomos pedir os vistos para a viagem a Goa que, como te disse, deve ser a última, por falta de ma$$a$... Não somos ricos nem esperamos sapatos de defuntos. Adiante... Como dizia o meu padrinho Armando para trás "mija" a burra....

      Bjs da Raquel e qjs do afilhado Henrique, o Leãozão

      Vou já ao teu palácio...

      Eliminar
  18. por Júpiter caro Henrique, nã estava à espera de um desfecho destes... é certo que já desejei finais idênticos a muitos professores, porque alguns eram verdadeiras pestes, mas eram coisas de ganapos, sem mal nenhum :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Manelamigo

      Por Baco, hic, hic, também desejei e com muitíssima forca - e força - coisas destas a alguns mestres e outros espantalhos e/ou filhos da puta que e o que não falta por aí. Quando era catraio e até... agora!

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  19. Gostei, Henriquamigo, apesar do desfecho trágico. Cena que poderia ter acontecido em qualquer artéria da nossa capital.

    Beijinhos e abraços aqui da velhinha, professora que não da 3ª classe...

    ResponderEliminar
  20. Querida Gracinhamiga

    É bem verdade isso que dizes. Mas, se todos os desfechos fossem cor-de-rosa o que faria o arco-íris?

    A setôra não é velhinha; quando muito é quase idosa...

    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão (vá lá, desta feita safámo-nos...)

    ResponderEliminar
  21. Estava a gostar tanto desta história e depois dá-se esta reviravolta e não gostei nada de como termina!

    ResponderEliminar
  22. Nem todas as histórias tem um final feliz ....

    Um maravilhoso dia pra vc =)

    ResponderEliminar