2016-07-21

A menina
queria ser
manequim

de montra 


Antunes Ferreira
E
specada em frente da montra de um estabelecimento de roupa interior de senhora, Alberta mira com ar pensativo os manequins, entre eles um de uma mulher com um biquíni obscenamente pequeno. Feito em tiras pouco largas de cores amarela torrado e azul marinho duas cobrem-lhe os mamilos duns seios moldados e empinados. Quase lhe deixam mostrar as auréolas, e estendem-se pelo tronco.

À
 cintura mais uma fita das mesmas cores de onde partem mais duas que se cruzam entre as pernas fazendo adivinhar a zona púdica para passando por baixo do sexo para seguirem para as costas. O manequim está de frente virado para quem passa. Alberta advinha-lhe um fio dental, embora não o veja. Uma senhora cinquentona ao lado dela comenta que lhe parece uma mulher verdadeira, que não deviam fazer estas coisas para atrair as compradoras e – quem sabe? – os compradores, certamente para oferta. Tenho a certeza, prossegue a dama, que é para a secretária ninguém daria uma prenda destas à mulher legítima.

Alguém devia proibir estas "exibições


A
liás não é só aqui que se pode ver esta desvergonha. Também há meninas com tudo à mostra nos placares publicitários espalhados por Lisboa… por Lisboa? Por todo o país. Os condutores se reparam neles ainda dão com a lata no carro da frente. “Alguém” devia proibir estas “exibições”. No meu tempo não era nada disto. As Senhoras eram Senhoras e as meninas eram meninas! Até penso que é necessário fazer uma marcha pela avenida da República com cartazes a dizer: Abaixo a devassidão! Abaixo os maus costumes!

U
m pouco atrás um cavalheiro, a caminhar para sexagenário, ou talvez já seja, está pensando: os homens hoje em dia aperaltam-se bem, vão ao ginásio (para ver as moças em calções e ti shirts), fazem plásticas, rapam os pelos mais incómodos, tentam alindar-se senão mesmo assexoar-se á maneira de mulher. E há ainda os pane… homossexuais e as fuf…lésbicas, os travestis e os transgénicos, valha-nos Deus!  Discorda da que deve ser a esposa, mas em silêncio não vá ela... No entanto Alberta adivinha-lhe o pensamento bastante pornográfico.

Obras na Av. da República


O
 cidadão que parece um tanto distraído – mas não está – acrescenta à proposta da cara-metade: na avenida da República não, está toda cheia de tratores e trabalhadores das nove da manhã às cinco da tarde, não fazem horas extraordinárias nem trabalho nocturno o que é típico dos portugueses: Além disso há os mamarrachos às listas brancas e vermelhas que só entopem a circulação; ah e também o Saldanha e a Fontes Pereira de Melo obstruídos pelos mesmos coisos plásticos das mesmas cores, para abrir o tal corredor…  Que está a Câmara a fazer? Dizem que é para circular melhor. Uma ova! Se de três faixas tiraram uma o resultado tem de ser uma merda!  A dama por uma só vez concorda. Raro.

A
lberta está num supermercado grande que fica entre o hipermercado e o centro comercial, mais maneirinho do que ambos, mas com umas quantas lojas em frente das caixas que registam os produtos depois da máquina ler os códigos de barras. Ao lado dum balcão de café de várias qualidades mas da mesma marca, fica a loja de roupa sensual para senhoras, transparente e reveladora. Outro manequim usa um baby-doll cor de rosa com rendinhas salmão. Outro ainda veste um fato de banho tão cavado que de cima se pode ver que tem as unhas dos pés pintadas. Ou devia ter.

U
m dia o pai, depois o tio Manel em seguida as mulheres, uma com os sete filhos e outra com seis abalaram da  aldeia em que viviam, Pardieiros, do concelho de Viseu em busca de uma vida melhor, faltos de pão de centeio e azeitonas. Tinham como objectivo no fim da viagem do Reboredo, em Torre de Moncorvo onde havia uma mina de ferro que diziam ter a maior reserva do metal em toda a Europa.

Caretos


L
á chegados fora uma desilusão, a mina estava prestes a fechar porque os filões já tinham acabado. Um senhor explicou aos que tinham chegado o que era a Festa dos Rapazes, que decorre do Natal ao Ano Novo e que é uma marca nordestina. Tudo bem, na altura iriam ver os “caretas” vestidos <b>a rigor</b> que percorrem bastantes aldeias. Tinham de provar os botelos e as alheiras outra classe de enchidos locais. O pai, de seu nome ti Chico, ouvia tudo com muita atenção e então decidira ficar porque dizia que a fé move montanhas ao que o ti Manel respondia: sim senhor, mas eu prefiro a dinamite…

A
ssentaram em Freixo de Espada à Cinta e logo o povo gozara com a sua maneira de falar tipicamente beirã. Mas continuaram a falar achim. O Chico Monteiro abrira um estabelecimento de sapateiro, um buraco de uma escada, alugaram dois quartos com serventia da casa de banho colectiva no fim do corredor e uma cozinha onde cabia o fogão. Assim todos ficaram a falar ao jeito das Beiras. A coisa não correu mal e tempos depois tornara-se sapataria com modelos para toda a gente, incluindo o padre cura que ainda calçava botinas.E a coisa ia andando bem.


Freixo de Espada
à Cinta


R
ecorda que quando era miúda lá em Freixo de Espada à Chinta o Cenhor Augusto alfaiate abrira uma montra onde pujera dois manequins. Nada como estes de agora: tinham um pau com rodas em bez de pés para ele os mober de um lado para o ouitro. Debiam cher em papelão ou coisa que o balha, as caras feias como um burro e muito pintadas que o merceeiro Senhor Jaquim até dijia que os póseches eram para disfrachar a feiura. As mulheres trocheram o nariz mas o Cenhor Augusto estebe-che nas tintas e continuou com os manequins na montra.

U
m dia dichera ao pai que quando foche grande queria cher manequim de montra. O pai, de pelos nas bentas chamara-lhe parba e chem chequer a ameachar dera-lhe duas galhetas daquelas de mão atrás para dar balancho. A mãe Mariana enxugara-lhe as lágrimas: tá queda Berta, olha que o teu pai te dá mais duas. Calara-che. - Como iam longe os tempos em que trocava os esses pelos ches,  os vês pelos bês e os zês pelos jotas… - mas metera na cabecha a ideia de cher manequim de montra.

E
 com qualquer bestimenta, até mesmo com aquelas que lhes davam o aspecto de terem acabado de ter chido dadas ao Mundo, tal era a diminuta porchão de fajenda que quaje nem cherbiria para dar lustro aos chapatos. O ti Manel, por parte da mãe, abijara-a que che deixache de mariquichs, tás a ber, tira echa ideia maluca da cabecha. As gajas nem se mexem e além do mais não chão bibas. Mas também dijia que ela para tirar alguma coija da cabecha era precijo cortar-lhe a… dita cuja cabecha.

Trancam o automóvel, rebocam-o...


V
iera para Lisboa, tirara o curcho (às vezes ainda resmoneava: maldito sotaque) de Economia, casara, divorciara-se e voltara a casar, dois filhos, um do primeiro, outro do segundo. E voltara a divorciar-se e hoje tinha um namorado, a amiga Eduarda que era muito brincalhona chamava-lhe… namorido. Tem o carro no estacionamento pago; olha o relógio, meu Deus já passam mais de quinze minutos da hora limite indicada no parquímetro. Ainda vem o tipo da EMEL, tranca-lhe o automóvel e a grua reboca-o - e estou fo…rnicada. Vira-se e acelera o passo. Ainda está para dar um adeus com a mão ao manequim - mas não dá. Uma economista, três vezes casada, três vezes divorciada, com dois filhos e um namorido não deve dizer adeus a um manequim. Mesmo sendo de Freixo de Espada à Cinta.



57 comentários:

  1. "Ò tempo, volta pra trás..."(não mais de 40 anos)

    ResponderEliminar
  2. "Ò tempo, volta pra trás..."(não mais de 40 anos)

    ResponderEliminar
  3. Nada é como era!!!
    Tudo em perfeita mutação.
    Umas para melhor, outras para pior.
    É a vida!!!
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Irenitamiga

      Poizé. Mudança quer dizer em Goa venha para cá...

      É, realmente, a vida...

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
  4. EStamos em período de transição...

    Abraço grande e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sãozitamiga

      Poizé, estemos mesmo..

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
  5. HenriquAmigo
    Alguém lhe podia ter dito que podia ser manequim de montra no Bairro Vermelho de Amsterdam, sei lá. Aliás, deve ter sido isso que o pai pensou quando lhe arreou as chapadas.
    Já agora... quando é que respondes aos meus mails, pá?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Calinhosamigo

      No Bairro Vermelho? Eu diria mesmo muito mais: in de buurt rood? Coitadinha da moça (
      arme meisje)

      Mas ponde estás a mandar os imeiles? Para ferreira20091941@gmail.com? Manda mais para este e ponto final... :-))))

      Abç do Leãozão

      Eliminar
    2. Teresinhamiga

      Ok, chefe, compreendi-te como diria o Vasco Santana...

      kleine Käse
      Leãozão

      Eliminar
  6. A vida em movimento. Mudanças e mais mudanças! Gostei das expressões do texto. Uma bela noite de fim de semana. Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisamigo

      Bem vindo! Gosto de te ver por cá e comentar! Agora só falta ser meu seguidor... Não é pedir muito...

      Muito obrigado pelas tuas palavras; e também um agradecimento sincero pelo teu blogue. Profunda e seriamente erótico, mas não pornográfico. É obra - e tu sabes fazê-lo. Parabéns!

      Adoro polemizar; ficas desde já convidado para polémicas, debates, conversas, decapitações, fuzilamentos e utilização múltipla de corta-unhas diversos...

      Ah faltava-me ainda informar que também podes participar em cursos de gastronomia astronómica, calafetagem marítima e sexualidade de antropófagos e descascadores de feijão frade - ámen... Deo gratias; ite missa est :-)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

      Abç do Leãozão

      Por favor, manda-me por imeile o teu... imeile, tá?

      Eliminar
  7. Henriquamigo:

    O meu amigo tem uma imaginação tão fértil que já nem sei o que devo comentar :)
    Se o sonho da cachopa era ser manequim de montra, porque diabo se casou, e logo duas vezes e a caminho da terceira :)
    Quando às obras, livra! :D

    Beijinho e bom fim de semana para todos aí em casa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernandinhamiga

      Quanto a imaginação tão fértil embora a afirmação sendo tua, voto não Para escrevinhar alguma coisa que se safe são precisos 5% de imaginação e 95% de transpiração... :-))))))

      A coitadinha da Alberta deu-lhe prákilo; podia ter pensado em se mangueira de bombeiro (honny soit ou enchedora de isqueiros ao domicilio; vidas...

      Questões do foro particular - passo. Já me chegam as minhas...

      Bjs da Raquel e qjs do Leãozão (vou já ali à esquina comprar 250 gramas de bons-fins-de-semanas)

      Eliminar
  8. Ferreira, que ambição tão estranha a miúda tinha.
    Manequim de montra deve ser mesmo seca. E se fosse um homem a sugerir-lhe não diria que era uma objectificação da mulher?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isabelinhamiga

      É com muito prazer que registo a tua vinda & comentário a esta modesta e pueril TRAVESSA - isto tá bem escrito, não tá?

      Adoro objectos e objectivação. De mulheres? De manhã não; à tarde assim assim e há noite simmmmmm!!! A chatice é que já me esqueci do que fazer e como fazer; é, defenitivelmente a PDI.... :-))))

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
  9. De volta para te mandar um grande abraço e beijinhos para a Raquel.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coimbramigo

      Poizé... era doce mas acabou-se...

      Qjs às tuas mininas e abç para tu do Leãozão

      Eliminar
  10. Por conta de uma vida real que seja satisfatória, há mulheres assim, a quererem ser o que só o sonho lhes permite.
    Gostei francamente deste seu conto. Apesar de alguma tristeza implícita, a sua narrativa lê-se mesmo com gosto.
    Um beijo, meu Amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gracitamiga

      Enfim, chegaste!!!! :-)

      E o que mais me enche de alegria são as tuas palavras; sobretudo porque enviadas por uma Grande POETISA!!! Obrigado.

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
  11. Passando para te desejar uma grande e maravilhosa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisamigo

      Agradeço e retribuo

      Abç do Leãozão

      Eliminar
  12. Não realizou o seu sonho, mas ficámos a conhecer a sua história :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gabrielamiga

      Se todos os (bons) sonhos se concretizassem o Mundo seria muito melhor

      Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

      Eliminar
    2. Teresinhamiga

      Quem sabe?

      kleine Käse

      Leãozão

      Eliminar
  13. Uma história (conto) em que o talento do escritor vem ao de cima. Gostei deveras, Ferreiramigo!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agostinhamigo (I)

      Se talento rima com cimento ou se momento rima com monumento ou se encantamento rima com apontamento então talento rima com nada.... :-))))

      Muito obrigada

      Abç do Leãozão

      Eliminar
  14. Uma história (conto) em que o talento do escritor vem ao de cima. Gostei deveras, Ferreiramigo!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como nos hipermercados: leve dois e pague três ??? Ver resposta acima

      Eliminar
  15. HenriquAmigo,

    Mas que belo textículo aqui está! Tão imaginativo, que nem sei mesmo o que comente, vê lá tu.
    Imagine-se que até um belo Freixo arranjaste e lhe puseste uma espada à cinta! Ele há coisas que me deixam sem fala.

    Ah, mas vou falar-te uma coisa. As tuas publicações não andam a ser actualizadas, pois vejo a 'Nossa Travessa' lá no meu cantinho, com data de há cinco semanas atrás.
    Ora esta Menina, de gosto que não lembraria ao Demo, tem pouquíssimo tempo de nascida. Vai daí, eu pensar que o post era antigo e já o tinha comentado.

    Parabéns, Amigo Henrique, quem me dera ter a tua sapiência e paciência.

    Um beijo bem repenicado e agradado.
    Outro para a tua Raquel.

    PS- Obrigada, muito obrigada, pela amizade demonstrada nas palavras que me deixas lá, pelo meu humilde tasquito. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janitamiga

      Sei que sabes que gosto muito de ti (a Raquel está a ver televisão…) apenas tenho pena que uma comadri sete estrelas, alentejana convicta e firme, tenha optado por viver entre os tripeiros. Será pela torre dos Clérigos? Será pelas pontes? Será pelo vinho de Gai…, oops Porto? Enfim a razão tem coisas que o coração desconhece… Ondéke eu li isto?

      Após este intróito começo por te agradecer pelas belas palavras com que me presenteaste; e já agora como aqui não censura, sabe-lo bem, continua a comentar que os teus comentários são bué de fixes.

      Mas tenho de te aconselhar que metas uma acção no tribunal competente porque te digo aqui à puridade que o culpado desses tristes atrasos tem de ser o famigerado blogger que, como sabes, já me fez tantas que o insulto quotidianamente! Eu, tal como o Pôncio, daí lavo as minhas mãos.


      No que concerne a sapiência e a paciência (isto tá muito bem escrito, não tá?...) as palavras são tuas, que também te agradeço. Mas disse – já não sei quem, maldita pdi! – que um textículo tem 10% de inspiração e 90% de transpiração.

      Bjs da Raquel e qjs do Leãozão
      ________

      Sabes como sou: pão, pão, queijo, queijo o que dá que por vezes seja um desbocado e quiçá um tanto inconveniente. Por isso, quando algo está mal digo mal; porém quando algo está bem digo sempre bem… portanto, o comentário que deixei no tem excelente blogue é o que senti e sinto é apenas a afirmação da categoria do teu Cantinho e da sua dona e habitante – que és tu…

      Eliminar
  16. Tenho para mim que a xô doutora é uma economista frustrada e os 3 divórcios, terão sido ocasionados pelo desejo profundo de tentar, ainda, ser modelo de montra :))

    Bela história, boa pronúncia, quase me vi por lá, por Viseu ehehehh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nonamamiga

      Ora viva quem é uma flor!!! Adoro ver-te por cá, o teu comentário que te agradeço. Agora só falta ser minha seguidora o que não é pedir muito.

      Quem sabe se um dia conseguirá ser, ainda que tenha as minhas dúvidas... E muito obrigado pelo que me dizes... :-)))))

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
    2. Li o comentário que fez à Janita. Que tem contra os tripeiros? hã hã??!!! Bom, parece querer guerra ahahahah

      Já sou seguidora, e nem foi por pedir muito, nem me custou mesmo nada, anda distraído mas, deve ser mesmo do PDI que tantas vezes fala :)

      Disse à Janita que é pão pão queijo queijo, ora pois... Que maravilha! É que sou sua xará, não fosse eu mulher do norte

      Bom dia Sô Ferreira :)

      Eliminar
    3. Nonamamiga

      Se quiseres fazer o favor vamos por alíneas:

      a) Não senhora; nada tenho contra os tripeiros, o único problema é que são... tripeiros... Não quero abrir guerra nenhuma; já bastam os dois anos que entrei numa (dois em Angola) + três anos na "Metrópole"

      b) já és minha seguidora? Não te vejo; se calhar preciso de mudar de cangalhas com mais dioptrias. Entre os 24 não te topo. Se calhar é mesmo a pdi - mas com ólicos...

      c) A minha mãe nasceu em Rio Tinto (também podia ter sido em Rio Claro), mas foi com 7 (sete) meses de idade para Portalegre. Daí que era alentejana, graças aos meus avós obviamente maternos.

      d) Em Angola onde vivi cerca de oito anos também se dizia xará à malta que tinha o mesmo nome; aproveito o ensejo para te pedir que me mandes por imeile o dito cujo nome vero. Muito obrigado;

      e) Adoro malta que dê luta (claro que verbal ou escrita) e origine uma boa polémica tal como ténis de mesa uma para lá outra (refiro-me à bola. Evidentemente. Por isso espero (e desejo) que continuemos esta troca de ideias e de mimos.... :-))))))))))))))))))))))))))))))

      Qjs do Leãozão

      Eliminar
    4. 1. Já me encontrou nos seguidores?
      2. Também vivi em Angola
      3. Noname aqui e na Moita - ah também por e-mail :)
      4. Claro que vamos ter despiques, que serão apenas isso, nada de lutas ou guerras :)

      Boa tarde Sô Ferreira

      Eliminar
    5. Nonamamiga

      Aioé... 1) Lhe procurou mesmo mas eu num consegue lhe encontrar;

      2) Eu tamém: oito ano

      3) Lhi pedi o seu nome verdadeiro, manda no meu imeile: ferreira20091941@gmail.com

      4) Eu não gosta de maka, gosta mesmo é discutir, conversar

      Hiju do Leãozão

      Eliminar
  17. ~~~
    Um conto irónico, com apontamentos eróticos, bem ao
    gosto dos cavalheiros que ainda não apareceram...
    No entanto, há pormenores com os quais não concordo.
    São sempre divertidas as opções de vida que fazem as
    crianças, mas calhou a Alberta a sorte de ter um pai
    ''analfabruto''...
    O ambiente conflituoso em que cresceu contribuiu, sem
    dúvida, para os seus insucessos matrimoniais,
    Não acho bem achincalhar a Alberta devido ao sotaque,
    um cicio que, por vezes, até é interessante.
    Desta vez, deu-te para implicares com regionalismos,
    afinal Alberta é uma «self made woman»...
    Nem parece conto de um genuíno socialista!

    ~~Ps~~
    Afilhado, tenho de pedir desculpa por ter andado
    ausente do convívio desta Travessa, mas tive que
    dar atenção aos meus familiares em férias no Algarve
    e só me foi possível aceder a 'posts' de leitura rápida.
    Espero a tua compreensão...
    Beijos e abraços para ti e Raquel.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Madrinhamiga

      Boa definição. Lamento que não concordes, mas como não sou bom juiz em causa própria eu concordo; melhor fora…

      Não conheci nem conheço o pai da Alberta; não andámos na mesma escola primária, daí que não soubesse que senhor fosse “analfabruto” Butus só o que apanhou o César de Costas e aproveitou para dar-lhe a primeira facadela.
      Não costumo achincalhar ninguém, apenas – como sabes – sou danado prá brincadeira (honny soit…); mas creio que o chotaque até tem alguma gracha…

      Madrinhamiga

      Sei que és muito persistente; mas como sabes, não antirregionalista bem pelo contrário e gosto muito de mulheres (seria muito pior, para mim, gostar de homens…) E adoro as “self made women”; e também sabes que sou um socialista da velha guarda – mas isso são outros cinco mal réis.

      ________
      Muito obrigado pelo esclarecimento Que nem era necessário, conheço-te bem... virtualmente) do motivo da tua ausência e dos teus comentários (dos quais sempre gosto e aproveito o ensejo para desejar aos teus familiares umas excelentes férias no Marrocos do Norte. Por isso digo como dizia o Vasco Santana no “Pátio das Cantigas”: compreendi-te…

      Bjs da Raquel e qjs do afilhado Leãozão

      Eliminar
    2. Gosto muito de ti, Leãozão...
      ~~~~ Grande abraço.
      ~ Beijinhos para a Raquel.

      Eliminar
    3. Madrinhamiga

      ... e eu adoro-te, querida Maria José, minha madrinha

      Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

      Eliminar
  18. Boa noite!
    Não sei se estou no blogue certo. Mas não, não me zanguei, até porque não tenho nem nunca tive motivos. Se calhar nem sei se tenho este linkado. Mas, já vou tratar do asunto.

    Sou sincera, nem li o seu post. Apenas vim "fazer as pazes" loooool (brinco). Vou já colocar as coisas em ordem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cidáliamiga

      Muito agradeço - uma vez mais - o teu esclarecimento; mas não é preciso "fazer as pazes" pois guerra nunca tivemos... :-)))

      Mas faz lá o link...

      Qjs do sempre amigo Leãozão

      Eliminar
  19. Oh, HenriquAmigo, estou aqui para te agradecer os preciosos comentários que me tens ofertado e são preciosíssimos, pelo que encerram de bondade e sabedoria.
    Também, aqui estou, para não fazer como os hipers, onde se pagam 3 e trazem 2.
    Assim, fico a dever-te só um. Já cá tens dois!

    Bom Domingo e um big abraço, com amizade, para ti e tua Raquel.

    Janita

    ResponderEliminar
  20. Janitamiga

    Estou emocionado com as tuas palavras que, em meu entender são muito atenciosas, mas, perdoa-me, julgo que não mereço tanto; porém vêm duma Amiga que me enche de orgulho por ser minha... Amiga, uma alentejana de raça que só tem uma pequena desgraça: viver no Puerto. No melhor pano cai uma nódoa...

    Totalmente em desacordo: escrevi pague três leve dois. Os sôres Belmiro, Soares Santos e Amorim que me desmintam, se forem cap...zes disso. Vai por aí uma "desgarrada" que nem te conto!... :-))))))))

    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão - envergonhado com o que dizes

    ResponderEliminar
  21. Passando pra te desejar uma feliz e inspiradora semana amigo poeta. Um grande abraço. Aproveitando a oportunidade quero mais uma vez parabenizar a sua mente inspiradora e criativa por este texto que nos fazem viajar pelo caminho da reflexão...

    ResponderEliminar
  22. Francisamigo

    Muito e mito obrigado

    Abç do Leãozão

    ResponderEliminar
  23. Há coisas que não se compreendem. Um manequim de montra achim funciona a pilhas ou à manivela? Tu tens uma imaginação prodigiosa, se não, explica lá a subtileza do nome da pretendente: Alberta?!
    Estará ainda desempregada a fazer uorquechopes por conta do Fundo de Desemprego?
    Venha outro que este foi bom.
    Abraço, Leãozao.

    ResponderEliminar
  24. Agostinhamigo (II)

    Com a crise - que está para durar - que restava à Alberta? Ainda tinha pensado em se calceteira aquosa no lago Titicaca mas a falta de caulino era total e obviamente uma larga barreira a transpor.

    Por isso também pôs a hipótese de correr os 100 metros barreiras, mas o Rio estava cheio de jihadistas sambando, ornamentados com as cinco argolas olímpicas e portanto com receio de meter o pé na argola foi para equilibris..., oops, economista.

    Não se pode ter tudo...

    Abç do Leãozão

    ResponderEliminar
  25. Amigo Henrique
    Todas as pessoas pensam naquilo que gostariam de fazer, quando forem grandes.
    Acontece que, de momento e com a situação que estamos a viver, mesmo chegadas à idade adulta, continuam a sonhar ,porque, na maior parte dos casos, não fazem nada relacionado com a formação académica que possuem.
    Não sei se seria o caso, porque uma economista não deve ter grandes dificuldades de colocação, penso eu. Mas esta era especial: uma criação tua, muito bem descrita, indo até ao pormenor da fala!
    Bom fim de semana.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderEliminar