2016-11-02


Drogado
jovem
ou jovem
drogado

Antunes Ferreira


O
rgulhosamente usa no toldo e na parede o nome oficial registado em tudo o que é sitio e papel municipal e da freguesia Retiro do Meio Cheio (num bold corpo 260 bold) –Restaurante – Bar (num itálico corpo 150 bold).Como se vai tornando obrigatório a entrada de cães no estabelecimento é rigorosamente proibida; o mesmo já não acontece com a caca canídea que se conserva per omnia secula seculorum à frente da sua porta de acesso. Quem sabe destas coisas de negritos e cursivos é o Viriato Malaquias, antigo tipógrafo no “Jornal da Tarde”; e a malta que por lá abanca, reformados, desempregados, biscateiros ou trabalhadores diversos na hora do almoço e cidadãos inócuos que vêm pela bica, com cheirinho, ouve-o dissertar sobre composições, tipos, corpos, tituleiras, chumbos e até sangue-de-cristo; para além do offset. E aqui para no limiar da fronteira da desconhecida informática. Assim a modos como o cabo das Tormentas. E o Viriato não é o Bartolomeu; tem dias.


L
inguagem um tanto a dar para o arrevesado, hermética como dizem na televisão quando falam economistas e financeiros, além do Jorge Jesus, lá está o Malaquias para passar tudo a Português. Boa! Entretanto é preciso que se diga que tão pomposo nome traduz-se facilmente: é um tasco – mas onde se come muito bem. A Dona Filomena é mãe e cozinheira o Segismundo é o filho e atende os clientes quer dentro do balcão quer fora do mesmo. Enfim, para usar a língua Asaeana uma pme familiar. Sem subsídios. Na parede do fundo há um local especial para anúncios: HOJE HÁ CARACÓIS;
Sem legenda
AMANHÃ COZIDO À PORTUGUESA; 6. FEIRA BACALHAU COM GRÃO
etc. Menus diversos para todos os gostos e paladares.



A
 Dona Filomena na classificação geral dos cozinhados está muitos furos acima da santa do mesmo nome que, de resto, deu origem a uma tremenda controvérsia chegando mesmo a dizer-se que “a Filomena já não é santa”. Ironias do destino? Sabe-se lá. O que é certo é a santa afinal venceu a final e para mal dos seus detractores continuou na primeira liga celestial. No entanto, no que toca a refogados, rissóis e empadões nada consta a seu respeito. Que foi virgem – parece-me sim, o que, aliás, não é grande feito pois todas as mulheres o foram, mesmo Maria de Nazaré, ainda que subsistam umas pequenas dúvidas sobre um tal Espírito Santo. Até hoje não esclarecidas.


C
om isto se quer dizer que a insigne Dona Filomena, (viúva e dona de buço que qualquer guarda republicano invejaria) faz parte no mínimo o top ten das chef’’as lusitanas, para não dizer mesmo do top five. O seu cozido à portuguesa, a sua feijoada à transmontana, o seu bacalhau espiritual, as suas cabidelas, os seus pezinhos de porco com coentrada, os seus botelos com couves cozidas e os seus doces elevam-na à enésima essência, à vigésima segunda nuvem gastronómica-celestial, à direita de quem entra no portão guardado pelo São Pedro. E, se alguém de lá saísse (o que não consta de qualquer registo ou acta) seria à esquerda. Curioso.


P
elas quatro da tarde, abandonado pelo maralhal o local gastronomicamente abençoado, reúne-se ali uma tertúlia de três senhoras idosas, por vezes quatro. Ouvi-las conversar, recordar momentos passados, bons e maus, é um verdadeiro refrigério, dir-se-ia mesmo um privilégio, para os atrasados consumidores de sandes e minis ou tinto gelado. Que, por vezes, aceites pelas tertulianas, também metem umas buchas da autoria deles, pensando que com tal procedimento enriquecem a temática do dia. O que não corresponde à esperança dos recém metedores de colheres; cortar nas casacas tem que se lhe diga. E especialistas são… especialistas.
Para quê legenda? O texto diz tudo


O
ntem a Dona Alzira que tem uma voz de baixo-baixíssimo, 78, e é também viúva contava a sua história numa linguagem mais do vernácula, com o calão à mistura, informando as comparsas que com ela eram nove irmãos, a mais velha com catorze anos e o mais novo com quatro meses. Viviam num palheiro, ali a Carviçais, aldeia de Moncorvo, onde era preciso ir buscar água à fonte que ficava a dois quilómetros mais coisa menos coisa; no Inverno e descalços era fodido. Ela por essas alturas devia andar pelos seus sete/oito anos e nunca fora à escola.


O
 pai, farto da esmola que ganhava nas minas, cavara a salto para Paris da França, depois de ter emprenhado a mulher mais uma vez; hábitos. Côdea - pouca. Couves tronchudas – poucas. Chouriças – duas por ano. Caldo – quase todos os dias. Mal por mal a mãe Deolinda decidira ir para Lisboa, terra da perdição, mas também do mel e dos bifes. Ouçam meninas (a assistente mais velha ostenta sem aparato 92, quase 93 que vai fazer no princípio de Dezembro) foram nove dias à pata, felizmente que era Verão, dormindo ao relento, onde e quando calhava.


A
 minha mãe tinha um tio que morava numa rua chamada Filipe da Mata que deixou a gente ficar no pátio que havia nas traseiras e aos poucos fomos saindo para lugares que o tio e os primos seus filhos nos arranjavam. Eu, que já tinha fito nove anos, fui parar à casa de um Senhor Doutor Deputado, para cuidar das duas filhinhas e dos dois filhinhos que ele e a sua mulher tinham. Tudo gente muito católica, todos os domingos iam à missa e comungavam. E eu passei a ir com eles.
Entre mil beijos e carícias....


T
inham passado uns quatro anos, já me haviam aparecido as regras e crescido as mamas, estava uma mulherzinha, já me olhava ao espelho, não era bonita mas bem feitinha, fora promovida a criada de fora e preparava-me para ser ajudanta de cozinheira, quando uma noite, ouvi que de mansinho  abriam a porta do meu pequeno quarto no vão da escada. Era o patrão que me disse chiu e despiu o pijama mostrando-me uma coisa enorme e tesa que tinha entre as pernas e… entre mil beijos e carícias tirou-me os três vinténs.


E
ntretanto tinham entrado no tasco uns fulanos que pelos fatos que usavam carregados de tintas e de pó de cimento e de tijolos deviam ser pedreiros, pintores, estucadores ou coisas assim da construção civil (que aos poucos ia ressuscitando), que tinham pedido umas imperiais e uns tremoços.  Nesse momento um jovem desempregado profissional, drogado até dizer chega não, que por ali entretinha os seus ócios lendo o Correio da Manhã ou jogando no seu Smartfone, soltou, lá do fundo da pequena sala uma gargalhadinhas sacana: “Ó Alzirinha, nessa altura ainda havia os três?...” E um dos que acabavam de chegar, no mais puro alentejanês: “Havia, mê cabrão que te parto os cornos! Havia e há!” O puto drogado (a ordem dos factores é arbitrária), levantou-se, empertigou-se “É pá, se és homem, repete lá essa merda!” E avançou de punhos em riste! O campomaiorense fez-lhe uma chicuelina, e ferrou-lhe três murros nas trombas
Acabou-se - a festa e o gandulo
que o gajo até saiu de gatas. Nem apanhou os dentes partidos, muitos e espalhados pelo chão, e ainda rosnou “isto não fica assimmm…” O matulão de Castro Maior “pois nã, mê filho duma carrada de putas!” E foi-se a ele, levantou-o deu-lhe um enxurro de porrada que acabou com um pontapé ao fundo das calças, depois de outro mesmo em cima da braguilha. Acabou-se – a festa e o gandulo. À esquina a autoridade fardada de polícia, impávida e serena, falava pelo telélé quiçá para a namorada, ou para o namorado. 



“O
brigado meu Senhor…” disse a Dona Alzira com a voz entaramelada. “Nã tem de quê minha Senhora.” E voltando-se para o Segismundo: “Sai mais um pastel de nata para a Senhora Dona Alzira. Com açúcar e canela.”



46 comentários:

  1. Respostas
    1. Querida Papoilamiga

      E eu gostei muitooooo do teu comentário! Origado

      Qjs do Henrique, o Leãozão (e onde fica Dortmund?)

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Querida Gajamiga

      -:) Obrigadérrimo!

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    2. Uma história do século passada, meu caro Henrique.

      Hoje em dia, nenhum patrão tira os três vinténs à emprega doméstica. Hoje em dia, é a patroa que tira os três vinténs ao jardineiro, caso o jovem, drogado ou não, seja bonito.

      Eliminar
    3. Querida Teresinhamiga

      É muito capaz de teres razão, mas não te esqueças que sou da colheita de 41, aliás com um tinto Douro famoso. Mea culpa, mea cupa, mea maxima culpa

      Concordo uma vez mais contigo. As patroas modernas são cada vez mais perigosas - e é preciso avisar os rapazes tal como o fazia (e faz) a Maria José Valério, aliás reinterpretando uma cantiga velhinha:
      «cuidado, rapazes, cuidado muito cuidado; há mulheres que de tudo são capazes, e a fortuna não está sempre ao nosso lado».

      E prontes (???) por aqui me fico

      kleine Käse

      Henrique o Leãozão

      Eliminar
    4. Uma cantiga vélhinha que a minha mãe cantava e eu lhe achava imensa piada 😉

      Bom fim de semana com ou sem caracôis!

      Eliminar
    5. Querida Teresinhamiga

      Ich singe auch (und immer noch zum Ärger der Nachbarn singen und sogar einige Bedrohungen ...) Auf Wiedersehen

      kleine Käse

      Henrique, o Leãozão

      Por favor- como é que se diz bom fim-de-semana em Alemão?. Obrigado?

      Eliminar
  3. Nossa... Que violência. :) Não fosse o nome dos sítios e o sotaque alentejano e já me soava a filme do faroeste. :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Luisamiga

      Do Bairro do Faroeste, ali à Rua dos Formosinhos, na esquina com a travessa do Pereira... :-)))))

      Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  4. E o resto da história da D. Alzira?
    Quero saber o que lhe aconteceu depois!
    um beijinho e boa noite

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gabrielamiga

      A Dona Alzira ficou de a contar à Dona Ester para esta por sua vez a passar a Menina Hortênsia que é um pouco surda (já vai fazer 98 ano) e por isso tem de comprar um Sonotone quase invisível.Só depois o Segismundo contará ao guarda Carvalho, 2347/07 para este toar conta da ocorrência e agir em conformidade.

      Bjs da Raqel e qjs do Henrique, o Leãozão - e bibó Puerto, carago!!!!!!

      Eliminar
  5. As meninas da tertúlia hão-de ter muitos episódios a revelar mas não se lhe podia dar corda, quando não a crônica passaria a romance, o ue não dava jeito... Não foi, Leãozão?
    Gostei da história que não deixa cair no esquecimento a tipicidade e ambiente deste tipo de casas onde o pessoal caía, também para a petisqueira de fim de tarde.
    Abraço e votos de saúde.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Agostinhamigo

      O Leãozão - hoje muito fo...rnicado pois Das Ergebnis in Dortmund passiert ist, war eine unglückliche Katastrophe. JJ obwohl von BdeC unterstützt geht noch zur Madrd Portuñol zu lernen ...

      A estória, além de ter que se lhe diga, tem pelo meio umas rasteiras. Mas tu, homem culto, conhecedor, sábio, eficiente e essas coisas mais não foste d'enganos e chegaste onde querias chegar... Bué da fixe! :-)))))

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Caramba, para se mostrar à D. Alzira não precisava partir os dentes todos ao moço.
    Lá vai ele aumentar o consumo por causa das dores.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Elvirinhamiga

      A vida tem destas coisas e a Dona Alzira não merecia (e não merece) tratamentos como aquele que o jovem drogado lhe deu. O dentista que tem o consultório no fim da rua esfrega as mãos de contente...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  7. Uma Alzira ainda move muita gente, FerreirAmigo.
    Mas, como os "alifantes", duas Alziras movem muito mais :)))
    Aquele abraço para ti, beijinhos para a Raquel

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Coimbramigo

      A Dona Alzira é uma Senhora castiça e compará-la com um "alifante" parece-me rude demais. As Senhoras tertulianas registaram o teu infeliz comentário e a Menina Hortênsia até disse que lá em casa levas mais...

      Bjs e qjs para as tuas três mininas e um abç para tu

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  8. Bom dia
    Um abraço deste lado onde o lidacoelho se faz de Madrugadas.
    Gosto de ler os seus textos.
    Desejo muita saúde e a continuação de bons textos a que nos habituou.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caríssimo Luísamigo

      Há mais de 6.987.073.012.354,3 anos que não te via por á. Mas, hoje, hossana! Madrugadas benditas devem ser essas que originam os textos do lidacoelho.... :-)))))

      E muito obrigado por tudo - e em especial pelos "bons" textos.

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  9. Mais uma vez, ri por aqui! Tu escreves e descreves cenas hilárias e impressionantes,rs Adorei! abração,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Chiquitamiga

      São favores teus que muito agradeço e... volta mais vezes...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  10. Hola.
    Me ha gustado mucho tu blog
    Me dio tu dirección Anna de poemias.
    Es realmente un acierto
    Besos

    ResponderEliminar
  11. Querida Gloriamiga

    ¡Hola!
    Estoy muy feliz ya que has venido por aquí y quiero darle gracias a querida Annamiga. Me encanta el castellano que, por supuesto, hablo y escribo lo mejor que puedo. Empecé a hablarlo cuando tenía seis/siete años y sigo estudiándolo.
    Espero que seguiremos correspondiéndonos y uno de estos días voy a visitar-te. Muchísimas gracias por tu visita.

    Qjs = quesitos = besitos

    Henrique (con H...), o Leãozão

    ResponderEliminar
  12. Querida Gabrielamiga

    Um desejo teu para mim é uma ORDEM e por isso espero que a massa que já amassei comece a levedar para depois ir ao forno de padeiro com lenha de azinho. Já compreendeste do que se trata: é a sequência da vida da Dona Alzira Silva da Purificação.

    Enquanto estes preparativos dos procedimentos padeirais vão seguindo a ordem natural das coisas e para que não digam que é um caso de preferência, aqui se exortam comentadoras e comentadores a fazer novas petições ou sugestões. Da mesma maneira serão bem acolhidas/os - e respondidas/os

    Obrigado

    Qjs & abçs

    Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  13. Pois, meu caro Leãozão, é um caso sério para vir aqui porque só consigo cá entrar clicando na tua «Nossa Travessa» quando o menino vai lá ao meu blog. Vá-se lá saber porquê!

    Quanto ao textículo da Dona Felismina e da Dona Alzira é bem animado, sim senhor! E fique sabendo que até conheço Carviçais, ali perto de Moncorvo, e da posta transmontana do Artur que é um bom pedaço de carne barrosã (que nada tem a ver com o Barrosão que esse é mais cherne - podre - e não serve para bifes...)

    Espero que esteja melhor do trambolhão.(não é dos trambolhões do Sporting, é mesmo do seu... eh eh eh eh

    Beijinhos e abracinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gracinhamiga

      Depois de me ter esfalfado para tentar encontrar quem me resolva a chatice da data de apresentação do último artigo tenho enviado INDIVIDUALMENTE uma nota para cada blogue a informar disso. É só o que posso fazer...

      Quanto ao trambolão continuo em tratamento - quiçá um pouco, poucochnho melhor, ay deus y o é.

      Bjs da Raquel e qjs do Henrique o Leãozão. Sporting? Kéiço?

      Eliminar
  14. Errata: onde se lê Dona Felismina, leia-se Dona Filomena... :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Senhor Dona Filomena Silva da Purificação agradece

      Eliminar
  15. Muito bom texto!É nisto que o admiro. Gosto de o ler, divirto-me com o seu bom sentido de humor, mas tenho muita dificuldade em comentar como merecia.
    Desejo que tudo esteja bem consigo.


    Beijo, bom Domingo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  16. Querida Cidáliamiga

    Quando dizes muito bom texto já está a... negaro tenho muita dificuldade em comentar como merecia Deixa-te de "modéstias" sem razão de ser pois gostas de me ler, divirto-me com o seu bom sentido de humor... Tomara eu que todas/os que me comentam fossem como tu... :-)))))

    Qjs do Henrique, o Leãoão

    ResponderEliminar
  17. Obrigada pela visita ao Sexta. Sem troca de galhardetes, eu também gosto muito dos seus textos. O problema é que se de algum modo não me chamar a atenção (até agora tem-no feito através de email) eu nunca sei realmente quando o blogue é actualizado já que o feed, continua "firme e hirto" a fazer-se de morto.
    Abraço e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Elvirinhamiga

      Concordo contigo quando dizes sem troca de galhardetes... Isso não me impede, porém, de vaticinar voos mais altos para os teus artigos. Também concordo com o feed "firme e hirto" a fazer-se de morto"

      A este respeito não me digas mais nada senão recomeço a chorar (lágrimas de crocodilo?) Já tanta gente mo disse, já fiz tantas diligências para tentar resolver o problema - e nicles. e souberes de algum expert esta merda indica-mo. Pagarei o que for preciso!!!!!

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  18. Caríssimo Henrique, a sua travessa é um verdadeiro achado :) fui por ai abaixo começando pelo cozido (e tanto salivo), acabando no enxerto do gandulo que me lembrou de muitas e boas histórias! Muito bom.
    abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Manelamigo

      Qual Mau-Tempo, qual quê? Tens de passa a assassinar,oops, assinar Bom-Tempo pois chegaste aqui - o que é um prazer e um verdadeiro refrigério. Muito obrigado e espera pelo próximo episódio da vida da Excelentíssima Senhora Dona Alzira Silva da Purificação que promete e até mete obras na rua da distinta dama.

      Abç

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  19. Amigo Henrique,
    Um texto de sociologia, de história dos anos 50 e 60... Enfim, não tenho palavras.
    A sua ironia é das melhores que conheço (Alzheimer!)
    Beijnho.:))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Aninhasamiga

      Até fiquei engasgado, parece-me que tenho ma espinha de cabalhau na garganta?! Alzheimer?!?!? Eu?!?!?! Já dizia a minha avó materna Maria que é melhor cair em graça do que ser enlatado, oops, engraçado; mas dai a ter Alzheimer!!!!???? Isso não se faz, muito menos se diz, muitíssimo menos se escreve ao melhor amigo. Com amigas destas nem preciso de ter inimigas... :-))))))))

      Va bene! Adio!

      Formaggi

      Enrico, il grande Leone

      Eliminar
  20. Fico à espera da continuação, FerreirAmigo.
    Aquele abraço para ti, beijinhos para a Raquel, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Coimbramigo

      Quem espera pelo autocarro 733 sempre chega a Alcântara, perdão, quem espera sempre alcança.

      Tribjsqjs e abç para tu

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  21. No fim de ler esta tua deliciosa crónica já era eu que estava a precisar de um pastel de nata com açúcar e canela...
    Uma boa semana, meu Amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gracitamiga (I)

      Creio que sabes, mas em Belém (se quiseres aguentar uma fila de 23.987,3 pessoas) arranjas os que quiseres. Mas como eu tenho um Amigo que trabalha lá penso que o gajo pela porta do cavalo (salvo seja) te despacha logo. É só citares o meu nome...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  22. Henriquamigo,
    Quem é que consegue acompanhar tamanha imaginação :)
    Desde os caracóis da chef D. Filomena até aos pastéis de nata com açúcar e canela, tendo pelo meio violação e porrada, enfim... estou pasmada :D

    Um beijinho para si e já sabe outro para a Raquelamiga !


    Quanto à actualização do feed, por mais voltas que dê continua a ser um MISTÉRIO!


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Fernandinhamiga

      Compro dia sim, dia não, meio quilo de imaginação a preço de saldo numa loja de vendas a prestações que há na minha rua. O Sôr Raimundo que é o proprietário e empregado de balcão apenas me vê pergunta logo:

      "Hoje, vai com com canela ou com feijoada à transmontana?"

      E eu "Hoje é mais balchão de carne de porco..."

      E assim vamos vivendo.

      Quanto ao feed ando cada vez mais feedido

      Bjs da Raquel e qjs do (mau) aprendiz Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  23. Muito, muito bom amigo Ferreira.

    A sua simplicidade e imaginação são do meu agrado.

    Urge resolver o problema das actualizações para o acompanharmos melhor.

    Ontem lá estive em Alvalade. Que alegria ir aquela casa.

    Grande abraço.

    Saudações leoninas.

    ResponderEliminar
  24. Caro Correntamigo

    O Sporting está melhor e recomenda-se. O JJ e o BdeC escusavam-se de se meter em saralhos do carilho mas quem planta ventos colhe tempestades.

    O feed é pior do que o deus-me-livre. Se conheceres alguém que saiba desta porra, põe-mo em contacto comigo. Pago!!!
    Abç do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  25. Consua licença excelência e sem ofença; é mê cabrão que te parto os cornos!
    45 dos comentarios é muita uva, ou parra. é Ddemasiado, consua licença, sem querer ofender.
    qué boa é!!!

    ResponderEliminar