2016-11-18

A SAGA DA ALZIRA – 4


Um funeral à maneira


Antunes Ferreira


H

avia uma explicação para a ausência das tertulianas do Retiro do Meio Chão aquando da visitinha do Pintarolas, aliás frustrada (visitinha que poderia ter tido consequências muito mais graves, mas não tivera felizmente para o rapazola). Às três componentes efectivas juntara-se uma quarta ad hoc, a saber: a Dona Alzira, a Dona Ester e a Menina Hortênsia  a Dona Leocádia – que ainda não conheciam, mas que por vezes aparecia; era porteira do 28 da Rua de Baixo, já tendo completado 72 anos e considerava-se solteirona militante – tinham ido ao funeral dum compadre da Dona Ester.



“F
oi um enterro muito bonito, não foi?” perguntava no dia seguinte, já no Meio Chão, a Dona Ester, que apesar de ver aproximarem-se os 94 anos adorava tudo o que metesse urnas, paramentos, gatos-pingados e etc. “Foi sim senhoras”, acudiu a Dona Filomena que acabava de lavar panelas, tachos e restantes itens da parafernália instrumentista-culinária e que também participara nas cerimónias funerárias pois era prima afastada da irmã duma tia da madrinha da prima duma comadre da prima-irmã da viúva do falecido, todos oriundos do falecidíssimo Estado Português da Índia. A Dona Filomena não era goesa, era apenas por amizade.


A
 única chatice fora a partidela da roda da carreta, o caixão e o morto estiveram à biquinha de cair, não fora o gato-pingado que lhe deitou a mão, o Zé Marreco que fazia de Mestre das Cerimónias, cagou-se todo que eu bem o cheirei, regougou a Dona Ester, o Chico da peixaria comentou entre dentes “aqui há peixe com fénico”, e a Dona Ernestina do Salão de Estética Unissexo sacou o abanico da mala a tiracolo, “aqui perto deve haver uma retrete cheia de merda.” O Marreco disfarçou, tirou do bolso do colete um canivetinho e voltando-se para a Dona Ernestina disse na brincadeira “Ai, qu’eu capo-a…” A coisa, felizmente, ficou por ali.  


Melquior, Baltasar e Gaspar


O
 Segismundo ficara no Retiro, alguém tinha de trabalhar, para o ripanço já bastavam os das obras, incluindo o campomaiorense que ainda pensara ir fazer uma perninha no cemitério, no meio da molhada nem se notaria, mas para concretizar tal desiderato seria preciso ir a casa mudar de fatiota, o que seria uma ganda merda. Portanto, não foi. A igreja estava a abarrotar, quase a rebentar pelas costuras se as houvera. O celebrante suava as estopinhas, o sacristão também e dos assistentes nem é bom falar. Todo o incenso, mirra, água de colónia Printemps, perfumes Women & Men, desodorizantes diversos e sabonetes Lifeboy que ali fossem vertidos não conseguiriam anular o odor corporal que da multidão evolava. Nem mesmo a água benta se safava. Alzira: “Era como os três Reis Magos a chegarem ao Perzépio cagados de areia e similares até aos cotovelos. O Segismundo atrás do balcão “Presépio”…


O
 padre “falara mui bem, porra! Até parecia um Bispo!” dissera a Dona Alzira que ainda acrescentara que “nem fora necessário o coiro para encomendar o corpo…” ao que o Segismundo corrigiu “não é coiro, é coro, e isto de encomendar lembra-me os Figueiredos do 4º Esquerdo que encomendam sempre o almoço para que seja levado a casa”. A Menina Hortênsia não gostou “ó home alembre-se – graças a Deus muitas; graças com Deus nenhumas!”

De muito alimento...


F
oi a Dona Ester que deitou mais umas achas para a fogueira: “Além do mais, o prior era lindo! Um homem perfeito. E a irmã dele que estava na primeira fila comia-o com os olhos…” A Dona Leocádia acrescentou “Quem a comia era ele e não era com os olhos. Uma boazona como ela era de muito alimento. E as meninas não podem esquecer-se de que um padre é um homem que tem a braguilha até ao pescoço. A Menina Hortênsia começou a abrir a boca, mas depois calou-se. Graças…





“E
 as flores? Um monte delas, cada um mais bonita do que as outras" sublinhou a Dona Ester, "repararam "na coroa da Companhia onde ele tinha trabalhado, e era apenas porteiro, um mimo, bem como a do Sindicato de que era tesoureiro, uma maravilha, para não falar das que a família tinha trazido (como era sua obrigação)” A Dona Ester voltava à carga “aquele ramo de rosas brancas não dizia de quem era. Seria que o morto teria uma mão esquerda?” E a Dona Filomena que já tinha tirado o avental “mas as Senhoras foram ao funeral ou foram cortar na casaca do falecido?”

A menina dos cinco olhos


E
 foram falando do caixão em mogno, dos acompanhantes, muita gente fina, até políticos e ministros, ele era muito bem visto“, da oração do sacerdote junto à câmbra – campa, emendou mais uma vez Segismundo – “vossemecê até parece a dona Adozinda a minha setôra da escola primária númaro 127, só lhe falta a menina dos cinco olhos qu’ela tinha, a cadeirinha e o içópe” – e de novo o atendedor “o número, a caldeirinha e o hissope” e o gajo zarpou para a cozinha antes de levar com uma cadeira pelas trombas – que o ameaçou a Menina Hortênsia.


P
ara funeral já bastava. Estava quase tudo dito. Ainda havia um tema para abordar: o padre e a moçoila oficialmente sua "irmã" que um dia depois de uma trovoada  tramada tinha comentado para as vizinhas "E eu, se não me agarro ao meu "mano" António tinha caído da nossa cama..." E quando ainda estavam nestes preparos entrou o campomaiorense “Sabem quem esteve por cá? O Pintarolas. Mas, foi uma rapidinha. E então o velório?” E a Alzira “Não fomos. Era muita cera para só um defundo.” E O Segismundo da cozinha “defunto…” E a Menina Hortênsia “Ai levas, levas!” E levantou a cadeira.





32 comentários:

  1. Henriquamigo,

    Visualizei todo enterro como se fosse um filme trágico-cómico, tal o seu poder descritivo :D
    Ri-me até às lágrimas com os diálogos e pensei que o meu amigo deve ter um imenso prazer quando escreve :)
    Pois continue nos brindando com as suas excelentes narrativas !

    Beijinhos para a amiga Raquel e para si obviamente ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Fernandinhamiga

      Na verdade, dá-me realmente, gozo quando escrevo (e ilustro graças o Google Imagens) textos deste tipo.

      Mas também gosto de escrever textos "sérios", dramáticos, políticos, sociais, etc. Em suma: gosto muito de ESCREVER! E também gosto que me leiam...

      Muito obrigado

      Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

      Eliminar
  2. Ó amigo Henrique. Então tu fazes um post destes, tão grande e logo com a Beyoncé, que dizes ser uma menina de muito alimento ?... Como queres que perante esta situação consigamos ler tudo e tirar o olhinho da menina ?... eheheh
    Bom ! Para além disso confesso que achei graça à dança dos senhores da funerária !
    É assim mesmo ! Morra-se, mas com alegria ! :))

    É verdade. Outra coisa ! Então foste lá a "minha casa" e não deixaste nem um pequenino palpite do que pudesse ser aquela Porta ? ... :((

    Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Ruiamigo

      Eu, pescador me conf... oops, pecador me confesso, cometi um pecado pouco original: sem dizer nada à interessada meti na Beyoncé (querias....) a onde não devia metê-la. Mas os olhos argutos do Espírito Santo (o Rui) logo descortinaram a lamentável ocorrência e ma apontaram. Muito obrigado.

      Já reparei o lapsus photus e no local encontra-se uma moçoila "irmã" do padre António, garota que também é de muito alimento. Mas, daí pilatianamente lavo as minhas mãos pois não tenho nada com isso dessas vidinhas...

      O Mário Sá Carneiro bem escreveu:

      Quando eu morrer batam em latas,
      Rompam aos saltos e aos pinotes,
      Façam estalar no ar chicotes,
      Chamem palhaços e acrobatas!

      Que o meu caixão vá sobre um burro
      Ajaezado à andaluza...
      A um morto nada se recusa,
      Eu quero por força ir de burro.


      Ainda pensei que fosse a Porta do Inferno do Gil Vicente - mas tive vergonha...

      Bjs da Raquel e abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    2. Ó amigo Henrique ! ... Então tu despediste a Beyoncé e substituiste-a pela Jessica Greaves ?... Olha que esta ainda é mais "alimento" ! rsrsrs
      Até o morto vai ressuscitar ! :))

      Abraço !

      Eliminar
    3. Caro Ruiamigo

      Fiscal & desmancha-prazeres - para seres dinossauro não te falta nada... :-))) Quero ver se conheces esta linda cachopa? Qual é o seu nome? Quanto pesa? Donde é? Apelido? Número do cartão de cidadã? número da Carta de Condução? Número do sutiã? Casa? Solteira? Viúva? Assim-assim? Vá lá Ruiamigo: Sés homem diz de tua justiça e reponde às minhas perguntas!!!....

      Ou julgas que és só tu a perguntar?

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    4. eheheh... Boa Henrique !!! ... Esta "checa" é realmente uma "anónima", que sofre muito de bulimia, portanto...mesmo literalmente, de muito alimento ! eheheh
      Bem escolhida ! ... Vamos a ver a reacção do Padre ! Veremos se ele tem "barriga" para comer isso tudo ! rsrsrs

      Grande abraço ! :))

      Eliminar
    5. Caro Ruiamigo

      Óqueijo!

      E as respostas às perguntas? Não é preciso ser por imeile - ate é proibido; aqui é o lugar certo?

      Bulimia... Tu empregas cada palavra katé tive de ir à Wikipédia: Bulimia is a serious, potentially life-threatening eating disorder characterized by a cycle of bingeing and compensatory behaviors such as self-induced vomiting designed to undo or compensate for the effects of binge eating. Caramba!

      Fico à espera das respostas...

      Abç

      Henrique, o Leãozão

      Eliminar
    6. Caro Ruiamigo

      Vítejte v testu rizik vzniku a rozvoje mentální anorexie, bulimie a záchvatovitého přejídání. Pokud otevřeně a pravdivě odpovíte na všech 54 otázek, můžete se dozvědět, do jaké míry se vás může problematika poruch příjmu potravy týkat.
      Test ppptest si všímá vašeho vztahu k jídlu, k sobě, vašich nálad i vašeho chování a dokáže orientačně odhadnout míru rizika vzniku ppp.

      Po vyplnění všech otázek získáte písemné hodnocení a také profil s komentářem. Výsledek je skutečně orientační, velice závisí na míře vaší otevřenosti při hledání odpovědí, nenahrazuje psychologické vyšetření u odborníka. Zároveň však poskytuje důležité informace, které můžete brát vážně.

      Výsledky testu ppptest jsou zcela a pouze pro vaši potřebu a vše je anonymní.



      Test spustíte zde

      Henrique, oLeãozão

      Eliminar
  3. ira, Henriquamigo!! Que raio de humor é este?!Um funeral é para chorar, não é para rir...

    Espero que a Alzira comece a ir às sessões de Língua Portuguesa da Edite Estrela...

    Beijinhos e abracinhos...

    ResponderEliminar
  4. Querida Gracinhamiga

    Ai ela é isso?!...

    Faz o favor de ler atentamente a resposta anterior; presumo que sabes quem era o Sá Carneiro, Mário, que não tem nada que ver com o Sá Carneiro, Chico...

    Nunca fui à língua da Edite Es..., digo, às lições de Língua Portuguesa da Edite Estrela, embora conheça ferpeitamente a minha camarada. Mas, se um dia, por puro acaso, encontrar a Senhora Dona Alzira hei de recomendar-lhas.

    Bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  5. Nossa Senhora, cheguei e dei de cara com aquele caixão branco e com passitos de dança??? Gostei do funeral contado à moda Ferreira!!! Só você, amigo...
    bjs e queijos a você e Raquel!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Taisamiga

      É difícil ter notícias/comentários lusos da outra margem do nosso Atlântico. Mas, eles vão chegando são recebidos com música (embora não se ouça, mas presume-se...:-)))))) e danças.

      Este é um funeral à maneira do... Ferreira; que continua a ser louco - pois de médico e louco todos temos um pouco... Olha, hoje deu-me para "rimalhar"

      Abç ao Pedro, bjs da Raquel e qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  6. Henrique,
    A tua sabedoria de vida permite-te isto, ou seja, rires-te da vida qb, não vá o diabo tecê-las.
    Gosto da tua ironia, mesclada de lucidez e desassossego, gosto da tua forma de, gargalhando, combater as sombras.
    Que mais te dizer? Gosto muito de ti, homem de sete costados!

    Forte abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Agostinhamigo (I)

      Já várias vezes te tenho dito que escreves muitíssimo bem, que jogas com as palavras a teu bel-prazer, que envolves as ideias em mantos diversos, enfim que és um Escritor.

      Por isso fico encantado com este teu comentário porque vindo de quem vem tem um duplo sabor. E se eu sou um homem de sete costados, tu então serás de setenta e sete... Retribuo. pois então também gosto muito de ti e quero que voltes mais vezes...

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  7. Olá amigo Henrique, então o convite nos blogues amigos, era para vir a um enterro ?! felizmente deu-lhe música nas andanças senão a gente aborrecia-se mesmo ! haja alegria e saúde, que ninguém quer ser acompanhado por tamanho ceremonial !
    boa semana para si :)
    Angela

    ResponderEliminar
  8. Querida Angelamiga

    Um enterro mas muito especial. Estamos todos fartos de jazigos e campas, coroas de flores hissopes e crucifixos, cirios e carretas; por isso danças e cantos sabem muito melhor - aos assistentes que ao morto tanto lhe faz como lhe fez... :-)))))

    E volta mais vezes...

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  9. Um enterro que até meteu uma flor Florida ao que parece no estremecimento dum trovão. É por isso que a Prevenção Rodoviária recomenda cinto segurança para que não haja feridos na queda. Por falar em queda... queda tens tu para baralhar a gente com partes e apartes gagas, embora nenhuma das tuas personagens seja gaga. Nem sequer o Segismundo-Estrela refugiado entre panelas.
    Agora a sério, ou à seria que é mais fino, a gente dá cabo dos dentes ao serrote; quem pagará a conta ao odontologista? não a do menino das natas mas a minha e as dos distintos comentadores-amigos.
    Mas tem lá paciência... e a D. Alzira farmacêutica não tem uma verruguinha por dizer?

    Grande abraço extensivo à D. Raquel que não conheço pessoalmente, mas que é reconhecidamente tratada como uma grande senhora pela gente boa que te frequenta a loja.
    Para terminar: o cigarro do Bruno já foi confiscado pelas autoridades? Quando não isto ainda acaba mal para ti confessadamente leão. Leãozão.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Caro Agostinhamigo (II)

      Um enterro é um enterro e um ornitorrinco é um bicho. Posto isto vou ao cerne da temática. PrimumA Mentirologia quase não é para aqui chamada, donde o trovão que assustou a menina mana do padre António é a única menção de um fenómeno atmosférico neste arrazoado. Cogito que concordas comigo.

      SecundoQuedas há muitas e de todos os tipos e até cores, tal como os chupa-chupas. Não entendo o motivo do aparecimento inopinado da Prevenção Rodoviária que quase não serve para nada, nem para quedas diversas. Mas, óbvio há quedas e quedas: eu, por exemplo tenho queda para o fado e – dizem – para a escrevinhadela. Mentira, pura e dura mentira.

      TertiumGaga só conheço a Lady e de foto. Tomara conhecê-la ao vivo e sem pele alheia que por vezes usa vestir. No caso vertente despi-la-ia – se ainda me lembrara como.

      QuartumOdontologistas, vulgo dentistas são caros como o cara…o Carvalho Malacueco que descobriu uma mina com o aparecimento do Jota Pintarolas. Para outros (im)pacientes devem consultar-se as páginas amarelas de preferência informatizadas, mas sem preço para não desmoralizar os candidatos. Quanto a estes não me pronuncio.

      Quintum A Senhora Dona Alzira é portadora de uma saúde de ferro, de acordo com atestado passado pela ex-Siderurgia Nacional. Qualquer torpe insinuação sobre verrugas será objecto de processo que será interposto em sede indicada.

      Sextum A Raquel é, realmente, uma grande Senhora (ou não fosse ela minha mulher…), uma Goesa da mais fina cepa, um tanto elitista (o primeiro antepassado Dom Diogo de Melo, cuja tumba eu já vi, foi baptizado em 1887) e mãe dos meus filhos. Obviamente (veja-se o caso de Indira Gandhi) é o exemplo típico do matriarcado: é ela quem manda…

      In fine septimum ESFORÇO, DEDICAÇÃO, DEVOÇÃO E GLÓRIA!!!! O Excelentíssimo Senhor Presidente do Sporting Clube de Portugal e da respectiva SAD, defensor intransigente das normas ambientais, só fuma cigarros electrónicos para não aumentar a poluição. Do seu registo criminal consta que NADA CONSTA O mesmo se pudesse dizer de dirigentes com responsabilidades presidenciais de outros clubes recentemente punidos com penas de suspensão que, no meu modesto entender deviam ser de prisão não remível…

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  10. Entre carpideiras e "irmãs" do padre vai aqui um rebuliço do camandro, FerrerAmigo.
    Toma lá um abraço, dá beijinhos à Raquel, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Coimbramigo

      Rebuliço, rebuliço, é só para dar cum pau; eu só tenho rebuliço, quano escrevo pra Macau...
      Tribjs e qjs e abç para tu

      Henrique, o Leãozão

      PS - Sou, mas aqui é Post Scriptum - Já sou sócio do Grupo Desportivo de Chaves...

      Eliminar
  11. Só um grande escritor consegue fazer o que fizeste: o humor, a ironia e a boa escrita a descrever um funeral... Confesso que me divirto a ler-te.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Gracitamiga

      Um Amigo desde Luanda e agora radicado no Canadá, o Fernando Bandeira, escreveu um dia que achava que eu lhe parecia (na escrita...) o Jorge Amado... Ia tendo um ataque cardíaco seguido de um AVC e pedi-lhe para não voltar a insultar-me ou, pelo menos, a assustar-me...


      Agora tu, minha querida vens-me com essa do grande; assim, percebo: são 121,900 quilitos...

      Qjs do Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  12. Olá, boa noite
    Admiro muito a sua forma de escrever. Tem humor que nunca maia acaba. Sempre irónico e bem disposto. Por isso é muito difícil responder. Mas adorei

    Beijos

    ResponderEliminar
  13. Querida Cidáliamiga

    Sempre a mesma questão, sempre a mesma dúvida...:-))) Claro que sabes responder; este teu comentário é bem o exemplo disso. Mas, de qualquer jeito, tenho, mais uma vez, de te agradecer as tuas gentis palavras.

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  14. Confesso Henrique que ao deparar com um funeral, me surpreendeu . A narrativa é de. tal forma exuberante que lido o texto sorri. Não é fácil ter o seu à vontade na natação dos factos de tal forma que nos insere no mesmo espaço
    Gostei
    Grata pela generosidade das suas palavras

    ResponderEliminar
  15. Querida Manelamiga

    Ainda bem que gostaste e melhor ainda que o disseste. Estas afirmações, queira-se ou não se queira, fazem bem bem ao ego dum cidadão - fazem-me bem, pelo menos a mm... :-))))

    Não tens que agradecer pois são verdadeiras; se não fossem também to dizia.

    Qjs do Henrique, o Leãozão

    ResponderEliminar
  16. Isto é o que os brasileiros chamam - ''uma presepada''...
    Querido afilhado, continuas finíssimo no que concerne a
    criatividade e prosa irónica - escorreita e malandreca...
    Não vais partir para a Índia?
    Beijinhos e abracinhos para ti e Raquel
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ~ PS ~ A página está demasiado ''gray''...
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida madrinhamiga

      Já nem sei como te agradecer tantas têm sido as palavras gentis e amigas com que deslumbras. Por isso penso que um simples muito obrigado será a melhor forma de te dizer quanto te agradeço porque gosto de ti, minha querida madrinha.

      Diz o fado que cada um é pró que nasce e é capaz de ter razão; eu creio que nasci para escrever e vou-me desenrascando...

      Contamos partir para Goa a cinco de Janeiro e voltar a 3 de Abril. Penso que será a última vez que o faremos, muito simplesmente por falta de ma$$a$, pois estão quase acabadas as poucas "reservas" que fui (fomos) utilizando para essas viagens: O que vem confirmar que não há mal que sempre durenem bem que nunca se acabe. Desculpa-me o desabafo...

      bjs da Raquel e qjs do afilhado Henrique, o Leãozão

      Eliminar
  17. Mais um magnífico texto (diria conto), onde o humor e a ironia, a par de uma boa narrativa, fazem as delícias do leitor.
    Bom fim de semana, caro amigo Henrique.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Jaimamigo

      Porra! Não meio de aqui chegar alguém que diga mal de mim ou, pelo menos, do que escrevo! :-))) Donde o facto incontroverso de ter de te agradecer mais esta prova de consideração e de amizade, enfileirando nos que me aplaudem. Para ti também um bfds que se aproxima

      Abç do Henrique, o Leãozão

      Eliminar